m Rádio Boa Música FM / Blog de Notícias e Streaming de áudio e vídeos

play de música

câmera estúdio

câmera estúdio

Player Tv Streaming

Visitantes:

Seja bem vindo! Chame-nos no chat.

Fale conosco, estamos on-line!

Siga nossa rádio.

Sharethis

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilha para diversas Redes Sociais

Reprises

Galeria do Instagram

Minhas Redes Socais

Visitas

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

A dupla George Henrique & Rodrigo lança o álbum “Vou Valendo”. Assista aos vídeos da faixa-tema e “Mente que nem sente”!

Foto: Divulgação.


    George Henrique & Rodrigo apresentam seu novo álbum “Vou Valendo”, em todos os aplicativos de música. Ouça e baixe aqui: https://umusicbrazil.lnk.to/VouValendoPR . O projeto teve a direção de Jessé Maia, e conta com quatro faixas: “Mente que nem sente”, “Sofrimento barulhento”, “Virando lembrança” e a faixa-tema.

 O novo single dos irmãos goianos, “Mente que nem sente” (https://umusicbrazil.lnk.to/MenteQueNemSentePR ), é uma composição de Dener Ferrari Garcia, Marcos Esteves, Gabriel Cantini e Leandro Rojas. O registro audiovisual já pode ser conferido no canal da dupla, no YouTube. Assista agora: https://youtu.be/q3mHnNP7_lA .

    Com temas jovens e atuais, a dupla acumula mais de 500 milhões de visualizações, no YouTube e possui, hoje, mais de 1.4 milhão de ouvintes mensais, no Spotify. Já são mais de nove anos, desde que os dois surgiram juntos, no mercado fonográfico e, de lá pra cá, lançaram diversas músicas que ficaram entre as mais tocadas, em todo o país. As vozes marcantes de George Henrique & Rodrigo seguem conquistando fãs e admiradores, por todo o Brasil.



Texto: Luciana Bastos.



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Papo sobre cinema!

Fonte: Pinterest


    Fala pessoal, bora aproveitar essa quinta para falar um tiquinho sobre um filme que veremos com certeza na premiação do careca dourado? Vocês sabem, aquele evento que premia um filmes de alguém dirigindo um carro sempre que foge de premiar o Spike Lee hahahahaha.

    "Ninguém mais nesse mundo sabe o que é ser um de nós, exceto nós" e não é isso mesmo que é a verdade? Escolher a frase do diálogo que culmina na frase "Poder para povo Negro" não foi fácil, porque essa belezura tem tanto diálogo bom que tô perdido ainda.

    A gloriosa estreia de Regina King como diretora é uma vitória maravilhosa para uma mulher que já mostrou a muito que é excelente atriz, e se você não se lembra dela aqui vão alguns filmes com ela que eu gosto muito: Boyz n the Hood (Os donos da Rua 1991), Friday (Sexta-Feira em Apuros 1995), Enemy of the State (Inimigo do Estado 1998), Down to Earth (O Céu deve pode esperar 2001), The Boondocks etc.

    E agora ela vem dirigindo esse roteiro de Kemp Power que traz como personagens 4 grandes nomes Negros, Muhammad Ali (Eli Goree), Malcon X (Kingsley Ben-Adir), Sam Cooke (Leslie Odom Jr) e Jim Brown (Aldis Hodge), em uma noite que deveria ser de comemoração e virou um grande debate, visões diferentes da mesma luta.

    Não é um filme com muito ação se por acaso é o que você está esperando, mas os diálogos são simplesmente sensacionais e mesmo assim, o filme me pegou já na apresentação dos quatro, principalmente na de Jim Brown quando o velho fala dele não poder entrar na casa, que me trás aquela sensação ruim que tive uma vez a muito tempo atrás quando, entrei no Shopping Pátio Paulista com meu primo, o segurança nós seguiu até o momento em que o vendedor da TIM o informou que compramos um celular a vista no débito e a de Malcon X que é o diálogo com sua esposa Kareem X onde eles falam dos podres da Nação Muçulmana que me lembrou quando me afastei da Igreja, não pela religião, mas por ver a maldade das pessoas, traído pelos que diziam ser amigos e julgado por muitos outros, todos que dizem seguir os ensinamentos de Jesus, mas são egoístas e julgam a qualquer um que seja diferente, dói, mas fica uma maravilha no filme.

    Enfim, temos os confrontos de ponto de vista, principalmente entre Malcon, o extremo Radical com ódio de todo e qualquer branco, contra Sam que é acusado de não ajudar a causa e ficar servindo os brancos com sua música ao invés de agir e usar o seu talento para a Militância da causa. Jim e Cassius (Murramed Ali) ficam mais na deles durante todo o filme, pois não estão nem de um lado e nem do outro, porém, são deles muitas das melhores observações do filme, afinal nem um e nem outro, Malcon e Sam estão os dois certos e errados ao mesmo tempo, podemos sim dizer a um irmão, lute, mas não devemos dizer como ele deve lutar, essa luta é de todos nós para todos nós e por isso devemos fazer da melhor forma para somar, mas isso significa também reconhecer nossos erros. No entanto não podemos também achar que esconder nossas feridas e aceitar uma máscara branca vai fazer com que tudo fique bem e Jim lembra isso quando fala que ele não é um Herói do Futebol e sabe que tudo está bem enquanto ele está ganhando, assim como Cassius lembra isso quando diz a Jim após ele revelar que fez um filme "quando você falou Herói Negro eu já sabia que era Morto".

    Fora tudo isso e muito mais o filme nos trás personalidade visual o que é ótimo, mesmo que você não os conheça e que pegue o filme no meio e mudo, você vai saber pelo comportamento e as roupas de cada um quem é o músico, quem é o lutador de boxe, o jogador de um esporte coletivo com bola (assiste você vai entender hahaha), e o negro sem um emprego, que é chato e quadradão, hahahaha (não me massacres eu gosto de Malcon X embora eu esteja mais para Matin Luter King Jr).

    E vou finalizar falando de música, golpe baixo senhor Malcom, jogar na cara de Sam que a música Blowin` In The Wind de Bob Dylan tem mais conteúdo para causa do que todas as deles, ele não te respondeu, mas eu te respondo o porquê, não é fácil para nenhum de nós, arriscar ouvir, ver e sentir o que vem junto com o posicionamento, não somos aceitos, nem nós mesmos conseguimos nos aceitar, afinal de contas oque tem de negro por aí que não aceita o outro só porque ele tem a pele mais clara… imagine agora um músico.

    Mesmo assim Sam termina o filme com a canção criada para o filme Speak Now e Ow…

    Fico por aqui...



Por: K. Kong



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

Compartilhe nossas matérias e/ou artigos em suas redes sociais. Nos apoie!

Compartilhe já!