m Rádio Boa Música FM / Blog de Notícias e Streaming de áudio e vídeos: Maio 2020

Siga nossa rádio.

Slide

Sharethis

câmera estúdio

câmera estúdio

Player Tv Streaming

Visitantes:

Seja bem vindo! Chame-nos no chat.

Fale conosco, estamos on-line!

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilha para diversas Redes Sociais

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Galeria do Instagram

Minhas Redes Socais

Visitas

sábado, 30 de maio de 2020

Eu, a Contaminação pelo Covid - 19 e o Pós- Parto: O desafio do Isolamento Social de uma Mulher Quilombola.

  Eu, a Contaminação pelo Covid - 19 e o Pós- Parto:

 O desafio do Isolamento  
Social de uma Mulher Quilombola.



 Por  FRANCISCA MARLEIDE DO NASCIMENTO


Eu não nasci rodeada de livros, eu nasci rodeada de palavras.
(Conceição Evaristo)



foto : Arquivo Pessoal


No dia quinze de março de dois mil e vinte, surge o primeiro caso positivo de corona vírus no estado do Ceará, fui convocada pela prefeitura municipal de Horizonte a qual faço parte como coordenadora de um Centro de referência de assistência social, para uma reunião e começamos a pensar no que viria pela frente. No dia vinte e dois de março, suspendemos as atividades e informamos que iniciaria um isolamento social e mandamos pra casa todos que estariam nos grupos de risco, eu gestante de trinta e três semanas, estaria no grupo de risco, por vários motivos, um deles, o fato de minha terceira gestação já ser de risco, estava com diabetes gestacional e hipertensão, deveria me recolher em casa e esperar a tempestade passar.

Porém, minha casa é o meu quilombo, e não podia deixar de contribuir com os meus naquele momento desesperador.  Decidi permanecer na linha de frente na organização e sistematização das medidas paliativas que a secretaria de assistência social tomaria naquele momento, os dias intensos e cansativos. Nós mulheres quilombolas sabemos que já nascemos com uma missão, a de jamais deixar nenhuma outra mulher para trás, e de cuidar uns dos outros, até quando nem querem ser cuidados!

Tiveram dias que eu pedia ao sagrado para que o meu filho ficasse um pouco mais na minha barriga, pois sabia que ali ele estava protegido, pedia para não me cansar tanto, pois precisava ter forças para ajudar no quilombo, as bordadeiras, as boleiras, as artesãs, o conjunto habitacional que tem muitas famílias em situação de extrema pobreza, minha cabeça tinha um turbilhão de pensamentos, dentre eles, os casos que começavam a surgir no município, mas principalmente  a sobrevivência do meu povo, dos idosos, a vida do meu filho de onze anos que tem problemas respiratórios (Asma), o medo da contaminação do meu filho do meio de apenas um ano e oito meses e por fim minha gestação. 

Os dias iam passando e todo dia agradecia por não ter nenhum sintoma pela comunidade e pelos de casa, e apesar de eu estar bem, com trinta e seis semanas Rhuan, meu filho mais novo, começou a dar sinais que queria vir antecipadamente, então meu medo aumentou, pois não poderia ter um parto normal, por ter uma cesárea recente, a menos de dois anos, a ansiedade tomou conta de mim, a angústia, o pavor, o receio de trazer uma vida tão frágil ao mundo em meio a esse momento o qual estamos vivendo.

 Chorei, orei, rezei, fiz preces, pedi intercessão, falei com as rezadeiras, com as raizeiras da comunidade. Da umbandista recebi um levantar de mãos e proteção, e assim segui para a maternidade Eugenia Pinheiro no dia treze de abril de dois mil e vinte. Saudável e sem sintomas do Covid-19.  Fiquei internada por dois dias, pois a diabetes estava descompensada, completei trinta e sete semanas no hospital, então os médicos resolveram interromper minha gestação e retirar meu filho, o parto foi feito juntamente com uma laqueadura no dia quinze de abril de dois mil e vinte, onde tudo ocorreu bem, e no dia seguinte me mandaram para casa. A esperança e o medo, na incerteza da dor!

Em casa, mimando o rebento começo a perceber os primeiro sintomas da contaminação, tentava sentir o cheiro do meu filho e não tinha êxito, a dor no corpo começou a me consumir, uma dor na barriga insuportável acarretada de diarreia. No início pensei que pudesse ser problemas normais do pós-cirúrgico, mas no quarto dia, a garganta começou a incomodar e mesmo sem tosse comecei a escarrar com raios de sangue, conversei com uma conhecida que é enfermeira e ela me disse pra ir a maternidade de imediato, pois poderia ser embolia pulmonar, assim fiz, e a essa altura um peito já doía muito, e o cansaço começava a chegar, foi então que pensei... é COVID, fui de um município ao outro com meu companheiro, chorando pensando que se fosse COVID, quem eu poderia ter contaminado.

 Ao chegar à maternidade, já me atenderam como suspeita, e já me levaram para sala isolada, sem mais contato com meu companheiro, o médico me avaliou e passou uma série de exames, fiz Raios X, exame de Proteína C Reativa (PCR) e foi identificado uma lesão leve no pulmão, onde eles não sabiam ao certo se caracterizava COVID ou H1N1. Para aquele momento a única coisa que o médico me disse, foi: “Vá para casa, caso seus sintomas aumentem, você retorna, pois você está saturando bem e seu cansaço não está intenso”.  Eu não me calei e disse: já que estão afirmando que estou com uma lesão pulmonar, vamos tratar para que não se agrave.

Como o plantão já havia trocado, pois passava das dezenove horas, no momento do retorno já era uma médica quem me atendera, que embora branca, ouviu meu apelo. Eu estava com apenas sete dias de parida, com um bebê em casa pra cuidar, um de um ano e sete meses e um garoto de onze anos asmático que não podia ter contato jamais com o vírus, e cheia de dores. Como uma criança quilombola é de responsabilidade de todo o quilombo, liguei pra meu irmão e já retirei meus filhos de casa e os deixei longe de mim. Retornei para casa e começou a saga pela procura de postos ou hospitais públicos que disponibilizassem o TAMIFLU, a medicação que me foi passada.

Passei quatro dias a procura e consegui através da Secretaria de saúde do município de Horizonte - CE, iniciei o tratamento e pensei, vou morrer! O estômago doía, o corpo, a alma e o coração! Fiquei no total dezessete dias usando de três a quatro máscaras para amamentar meu filho, sem poder olhar para ele, usando máscara para dormir e vendo meus outros filhos por vídeo chamada. Nos dias em que eu não estava bem eu não ligava, para que ninguém soubesse que naquele dia eu podia não sobreviver!

Foram dez dias muito ruins, onde o que me fez suportar foram às vozes externas dos vizinhos nos quintais, as mensagens dos amigos nas redes sociais, o cheiro do meu filhinho que voltei a sentir, foi a parceria do meu companheiro que não desistiu de cuidar de tudo sozinho e me lembrar de todos os dias que temos agora três filhos pra criar e que eu precisava confeccionar as máscaras do povo da comunidade, foram os amigos da luta diária.

No décimo dia, o exame chegou e confirmou, que era COVID, então fiz um vídeo alertando dos sintomas e fiz circular nas redes e pelo quilombo, comecei a pensar estratégias de enfrentamento, para que a comunidade tomasse consciência de que esse vírus além de ser letal, está bem perto de nós. E que eu fui sim, privilegiada, por ter um plano de saúde que contribuiu para que eu fosse atendida rápido, eu tive um transporte para me conduzir prontamente todas as vezes que precisei, eu tenho um trabalho formal, me permitindo ficar em casa, e sobre tudo ou apesar de tudo, eu tenho instrução que me auxiliou a discernir e a compreender a necessidade de procurar atendimento.

E quem não tem? E quem está nos quilombos mais distantes? E os que não tem condição de ficar em casa e precisam ir trabalhar? E os que não tem instrução e desconhecem o risco real do vírus? É por essas pessoas que precisamos pensar! Sair das plataformas digitais e voltar para a humana.

Depois dos dezessete dias procurei a unidade básica de saúde, para saber o que fazer, se estava curada, como proceder! Se podia já levar meus filhos para casa... Pois, afinal eu não tive nenhum acompanhamento, embora eu tivesse notificado meu caso ao estado e ao município, fui o primeiro caso confirmado nos quilombos do Ceará.

 E aquela situação me fez pensar novamente nos meus! Que possivelmente até tenham já tido casos nos quilombos, mas por falta de acompanhamento e de exames, não foram diagnosticados.
Então o que penso é que deveríamos ter acompanhamento específico da saúde em nossas comunidades, pois, nossos territórios são insalubres, sem saneamento, escasso de água e com muitas outras vulnerabilidades.


Quilombo Alto Alegre - Ceará 
Foto : Arquivo Pessoal

O Covid-19 me trouxe o medo, mas também a certeza de que precisamos cuidar um do outro nessa rede de Afroafeto!

sexta-feira, 29 de maio de 2020

A Tríade CPF - O que é e quem são?

A Tríade CPF - O que é e quem são?


O que é?
Conjunto de três sons 
E qual a definição?
É um conjunto de três gênios musicais que estruturam a formação harmônica de um novo conceito musical.
Quem são A Tríade?
Caio Prado
Jonatas Petróleo
William Fialho
Essa não sei se foi a melhor forma,  mas talvez a mais prática de apresentar o trabalho desses jovens artistas que carregam uma bagagem de conhecimento e experiências de duas décadas de histórias no mundo da música, contando e cantando grandes personalidades do samba, reverenciando e compartilhando o aprendizado deixando pra nós um grande legado.
Mais informações sobre esse trabalho incrível, de uma responsabilidade e sensibilidade ao samba e aos sambistas, além da carreira de cada integrante da A Tríade com seus projetos e trabalhos solo vocês só terão sábado, dia 30/05, às 14:00 horas, ouvindo ou assistindo o programa Fala Paixão.

Kako Paixão




quinta-feira, 28 de maio de 2020

"Luz Cultural" novo programa da Rádio Boa Música FM

"Luz Cultural" novo programa da Rádio Boa Música FM






Programa: Luz Cultural

A RC 10 Comunicação Promoção e Produções Culturais, mantenedora do programa “Luz Cultural” apresentação Carlos Romero, 
em parceria com a Rádio Boa Música FM, lançam nesta quinta-feira, 28/05/20020, ao vivo das 15 às 16h, um programa de bate 
papo descontraído com os convidados de vários seguimentos entre moda, esporte, variedades, celebridades, artistas, empresários, 
shows, formadores de opinião, empreendedores sobre carreira e assuntos relevantes da atualidade. O programa "Luz Cultural" também
 pode ser acompanhar em tempo real no site da Rádio https://radioboamusicafm.com.br direto do estúdio.




 Foto: Celina Germer Fotógrafa


Apresentador: Carlos Romero - Relações Públicas e Produtor Cultural
Em seu CV, Carlos Romero traz a partir da década dos anos 1990, trabalhos como produtor executivo e assessoria de imprensa
 para vários segmentos da cultura como por exemplo: Casas noturnas, shows, teatro, cinema congressos, palestras, cerimoniais
 e eventos Culturais de pequenos e grandes portes.
Por 10 anos trabalhou como relações públicas e na assessoria de imprensa do Troféu Raça Negra, um dos eventos mais importante 
do calendário da cidade de São Paulo, realizado pela ONG Afrobras, divulgando para o Brasil, a programação do evento, realizando
 o credenciamento da imprensa e participando do cerimonial (Sala Vip).

Recepcionou artistas como: Milton Nascimento, Alcione, Seu Jorge, Paula Lima, Ed Mota, Lenine, Margareth Menezes, Carlinhos Brown, 
políticos, autoridades, empresários e celebridades.
Cerimoniais internacionais como: Secretária de Estado dos Estados Unidos Hillary Clinton, na Faculdade Zumbi dos Palmares, 
quando esteve em visita ao Brasil, participando de uma sabatina com os alunos evento este organizado pela Globo News, Consulado
 Americano e Faculdade. Bernice King, (filha do ativista Martin Luther King Jr), Ana Paula dos Santos (primeira dama de Angola).
No cinema realizou a assessoria de imprensa para o curta- metragem Zagati, Longa-Metragem Soluços e Soluções, na promoção do filme 
Beline e a Esfinge, assessoria internacional para o atleta Rodrigo Fiúza e Dep. Comunicação da Secretária Estadual da Igualdade 
Racial na Prefeitura de SP.
Sobre a convidada: Milene Cintra – Sacerdotisa e Escritora



(Foto divulgação)


Fazem parte dos ensinamentos da Sacerdotisa, “Coaching Espiritual - equilíbrio e atuação da espiritualidade nas áreas da vida, 
Terapia Espiritual- resgatando a fé, Coaching da Prosperidade Profissional e Material - trabalhando questões financeiras, carreiras
 e sucesso, Inteligência Espiritual - o ponto de Deus no Cérebro e Coaching Motivacional - despertando a motivação dentro de cada um”.
 “Desenvolvimento Pessoal - abordagem de questões emocionais, pessoais, materiais e Empoderamento - valorizando e resgatando a força
 interior”.

”Empoderamento Feminino - valorização e equilíbrio da força da mulher; no cotidiano, na vida, na presença, no resgate de identidade,
 no meio profissional, espiritual e universal, espiritualidade e previsões energético-espirituais”.  

Formada em Psicanálise, Teóloga, Líder Coach, Terapeuta Holística, nestes 20 anos, por caminhos espirituais Cintra, visitou diversas 
culturas pelo mundo: Índia, Roma, Turquia, França, Grécia, África e América do Sul, Marrocos e Portugal.

Estudou em alguns lugares onde morou: Espanha, Inglaterra, Estados Unidos e Portugal, cujas raízes ancestrais também vêm de lá, como
 uma boa filha de Português com coração Cigano.

Cintra está com outros profissionais de diversas áreas no livro “COACHING MUDE SEU MINDSET para o Sucesso”, segundo volume lançado
 pela editora Literare Books, e já é   best-seller nos EUA.

Rádio Boa Música FM:
A Rádio Boa Música FM é idealizado pelo blogueiro e músico Ryck Bastos, é uma emissora digital que iniciou apenas como uma rádio, 
porém com o tempo, foi se moldando e criando uma identidade de TV digital também, para que os usuários pudesse assistir dentro de 
nosso estúdio não só os locutores ao vivo mas também cada convidado, interagindo assim de forma mais dinâmica, gostosa e diferentes
 dos formatos de rádios.

Além dos programas ao vivo, também são transmitidos shows, reprises, vídeo-clips de artistas comercial, campanhas de saúde e outras
 campanhas mais, além de palestras on line com parceiros.
Hoje com mais de 80 mil usuários totais em nossa plataforma e mais de 23 mil usuários on line nos assistindo vemos o quanto essa
 plataforma de conteúdo digital vem alcançando as pessoas que nos acessam no trem, metrô, em casa e até mesmo nas baladas, como já
 nos enviaram em nosso chat dizendo que estão on line com os amigos.

Com o crescimento da tecnologia, estamos acompanhando e desenvolvendo aos poucos mais recursos que façam as gerações acompanhar de 
forma dinâmica.

E através da nossa plataforma digital www.radioboamusicafm.com.br as pessoas também podem mandar mensagens no chat 24 hs por dia,
 podem nos ligar ao vivo em cada programa e participar bem como nos seguir e receber notificações os avisando sempre que estamos ao
 vivo ou com sorteios, então venha pra Rádio Boa Música FM faça história com a gente.




Serviço:
Programa: Luz Cultural
Apresentação:  Carlos Romero
Estreia: Dia: 28/05 das 15 às 16hs
Tema: “Coaching na Espiritualizada”
Convidada: Milene Cintra -Sacerdotisa e Escritora
Produção: Ryck Bastos





Onde: Rádio Boa Música FM Ouça ou Assista ao vivo no site: www.radioboamusicafm.com.br
Também transmitimos ao vivo pelo nosso blog: www.radioboamusicafm.com
Apoio: Templo Rio Azul
Realização: RC10 Comunicação e Rádio Boa Música FM
Mande mensagens ou perguntas em nossos chat, que responderemos ao vivo Ou participe ligando e é gratuito, através desse


Estaremos durante a semana divulgando em nossas redes o próximo convidados do programa durante a semana


Confira a programação e conheça os apresentadores da rádio
Educação e outras Conexões apresentação: Anair Novaes        
Jusoberano: Professores Alexandre Carvalho e Diego Costa     
Diversidade: Caroline e Ryck Bastos
Conversas & Estilos: Fernanda de Paula             
Sejam todos bem vindos!




Leia também: Milene Cintra com seu Coaching Espiritual, tem um capítulo voltado para a Fé e os Propósitos de Vida.



Veja Spoiler desse novo programa abaixo:






Realização:













quarta-feira, 27 de maio de 2020

Motoboys se tornando linha de frente no período de pandemia.

Motoboys se tornando linha de frente no período de pandemia.




O que a pessoas se esqueceram e que esses trabalhadores também tem família e acabam arriscando a  serem contaminados e
 levar o vírus para seus parentes,alguns reclamam pois hj os aplicativos são muitos e pagam valores baixos,outros gostam 
pois se sentem autônomos ,outros questionam, querem uma regularização da categoria, gerando um imenso debate em leis que 
foram criadas e ainda não cumpridas e por aí vai...



Mesmo com o isolamento social recomendado pelas autoridades de saúde durante o período de pandemia, causada pelo novo coronavírus 
(Covid-19), há trabalhadores que não podem parar. Seja por atuar em serviços essenciais ou pela necessidade de levar o sustento 
para casa, muita gente se torna obrigada a encarar de frente a pandemia. 

É o caso de quem ganha a vida sobre duas rodas acelerando as motocicletas pelas ruas dos grandes centros. Só na região metropolitana
 de São Paulo, as motogirls e os motoboys são mais de 220 mil, segundo o Sindicato dos Mensageiros, Motociclistas, Ciclistas e 
Mototaxistas (Sindimoto). 



No centro de São Paulo os estacionamentos, que normalmente não aceitam motos, abriram as portas para os motociclistas cobrando
 valores simbólicos. Prédios residenciais que antes proibiam a entrada de motos já estão permitindo. Ou seja, toda a cidade está
 percebendo a importância da moto como ferramenta de mobilidade quando todo mundo está parado.

Qual seria o melhor cenário? Que ao fim dessa pandemia a população continuasse a olhar para estes profissionais com o mesmo respeito 
e carinho. Claro que existem os maus, mas é assim em qualquer atividade humana, da medicina à engenharia, passando por todas as áreas. Isso é a humanidade.


Assessora de Imprensa /Cantora/atriz/apresentadora

Monyke Brasil

Sair da rotina mesmo em casa, nessa pandemia.

Sair da rotina mesmo em casa, nessa pandemia. 


Bom dia. Muita luz e para para todos. E quando bater uma sensação de tristeza, fúria, medo, desespero, depressão, tédio ou outros sentimentos desse tipo, lembre-se: 

- A Rádio Boa Música tem vídeos-clips, shows, programas ao vivo e muita música boa para vcs.


A pedidos também voltamos com o blog, apó 8 meses parado e a pedidos.

Lá nossos colaboradores de diversos setores, formações e que residem em várias cidades do Brasil, postam matérias de altíssimo valor e rico em conteúdos para vocês lerem e opucarem a mente. Sair da rotina mesmo em casa,  é possível sim. 

Aproveite para curtir mais a si, a família, volte ou comece a ler mais. Faça cursos on line, mesmo gratuítos, escreva poemas ou inicie um diário. Pode até nos mandar idéias de pautas para nossa rádio através do nosso blog:

 www.radioboamusicafm.com

Beijão, nos vemos lá...


Ryck Bastos - CEO da Rádio Boa Música FM, blogueiro e cantor. 


terça-feira, 26 de maio de 2020

Ubuntu “Eu sou o que sou porque somos”


Ubuntu “Eu sou o que sou porque somos”






Este texto foi construído por várias mãos e corações pulsantes. Estamos localizados em diferentes regiões do país: Goiás,
Ceará, Rio Grande do Sul e, apesar de estarmos separados por quilômetros de distância, nos conectamos pela nossa negritude
 e ancestralidade.
Escreveremos ao longo da semana sobre temas que nos tocam, mas antes, nos apresentamos a vocês.











Valdinésia Pereira Cunha, Quilombola Kalunga estudante de Geografia na Universidade Federal de Goiás, membra do Grupo de Pesquisa
 Protagonista Quilombola ( PQUI).



 
Foto: Arquivo pessoal.

Fabíola Rosa Santos, mulher preta, trancista, enfermeira e mãe. Pós graduanda em obstetrícia, colaboradora do SUS, atua em prol
 da população negra e quilombola na Gestão Pública Estadual em Goiás.

 .





Foto: Arquivo pessoal.

Marleide Nascimento é do quilombo de Alto Alegre, município de Horizonte, estado do Ceará, a 40 km de Fortaleza
 (região metropolitana).
 Mulher negra, quilombola, Graduada em  Marketing, discente do curso de Pedagogia pela Universidade  da Integração Internacional
 da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) e do curso de Pós- Graduação em Psicopedagogia Organizacional pela Universidade Vale do
Acaraú (UVA).
 Atuante nos movimentos sociais, quilombola e de mulheres negras do Estado do Ceará.  Atualmente é Coordenadora do Centro de
 Referência de Assistência Social – CRAS  Quilombola no município de Horizonte e Coordenadora do Núcleo de Promoção das Políticas de
 Igualdade Racial (NUPPIRH) em Horizonte – CE.








 Foto: Arquivo pessoal.

Juliana Jardel, Goiana, professora, bailarina e coreógrafa do CORPO SUSPEITO. Como professora de dança desenvolve um trabalho intitulado Movimentos Atlânticos. Estudante Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Performances Culturais / FCS - Universidade Federal de Goiás (UFG). Pesquisa artistas
 negros e suas estéticas de dança.









Foto: Arquivo pessoal.

Marta Quintiliano, Mulher preta quilombola, ativista, reside em Trindade- Goiás. Estudante da Pós- Graduação em Antropologia Social
 (PPGAS-UFG), membra do Coletivo de Mulheres Indígenas e Quilombola, Grupo de Pesquisa Protagonista Quilombola
 ( PQUI). Pesquisa Afroafeto e Cura.









 Foto: Arquivo pessoal.

Jilvani Farias, 26 anos, da Comunidade Abobreira - Quilombo Kalunga- Teresina de Goiás, estudante de medicina na UFPel,
 membro do Coletivo Negrex, militante do SUS e do movimento estudantil e nos tempos livres, escreve poesia.






Somos nós, Mulheres Pretas e Homens Pretos, Quilombolas, que estaremos com vocês trocando experiências sobre as nossas vivências que,
 de alguma forma se entrelaçam. E continuaremos resistindo na coletividade.

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Fala Paixão!

Fala Paixão!  






Falar de paixão não é uma coisa assim tão simples, ainda mais quando essa paixão arrebata o coração de multidões, por isso, dividimos essa responsabilidade com as três torcidas oficiais de Mangueira, que além de fazerem parte da escola, sendo um setor da agremiação, trabalham o ano todo com Mangueirenses desse Mundo a fora aproximando do Palácio do Samba através de suas ações.

Ações essas que traduzem a criação da primeira torcida Nação Verde e Rosa, pelo chamamento da gestão pedindo a comunidade que ajudasse colocar a escola na avenida, onde uma força tarefa foi empenhada e a essência mangueirense revigorada na busca de trazer a força da comunidade e a união como a ferramenta principal da instituição acreditando no valor do seu povo.

E essa essência ao ser perguntado aos três representantes das três torcidas ficou desenhado de um modo transparente o que é ser mangueirense e o que é a comunidade de Mangueira.
O surgimento da segunda e da terceira torcida se deu anos depois, por dois  integrantes da primeira não por discordarem da gestão, mas sim por sentirem a necessidade de atuar em outros pontos que não atingiam, trazendo ações sociais e festas nas arquibancadas como uma nova forma de demonstrar essa paixão a agremiação e trazer novos integrantes pelo brilho no olhar, como ocorreu na gestão passada onde novamente foram chamados para as três torcidas compor o desfile as reunindo na passarela do samba, ponto que marcou a história deles pelo reencontro, assim como, a comissão de frente de 1999, a paradona da bateria com a marcha em homenagem a Nelson Cavaquinho e a Porta Bandeira raspada como uma iniciada ao culto afro carregando o pavilhão, fatos que marcaram todos mangueirenses nos últimos anos, não desmerecendo e tão pouco desrespeitando trabalhos anteriores.
E a mensagem passada nesse bate papo foi a essência mangueirense cantada nos últimos carnavais, onde se faz coro por uma legião de mangueirenses que acreditam na mudança através da educação, no respeito através de representatividade e conquista através de ocupação de espaços exigindo o respeito que não nos é dado, chamando seu povo pra luta, pois é nela que a gente se encontra, e alertando os mais desavisados pra pegar a visão.




Kako Paixão - 25-05-2020

sábado, 23 de maio de 2020

Homem tenta matar seu cachorro enforcado em uma árvore.

Homem tenta matar seu cachorro enforcado em uma árvore.





É inacreditável o quanto o ser humano é frio e calculista. Ter a coragem de agredir um animal, ainda mais tentando enforca-lo em uma árvore o vendo se debater desesperado por ajuda.

Na rua e todos os moradores vendo a cena triste e chocante, familiares incluindo crianças, ficavam gritando para o dono parar e ele gritava falando palavras de baixo calão e dizendo que ele podia fazer aquilo porque o cachorro ela dele.

Tal crueldade foi denunciada no Instagram para o Instituto Luisa Mel, que logo teve resposta, o delegado voltado á crises contra animais tomou providência e o homem foi preso, antes que consumisse o crime.


Abaixo temos o texto no perfil da rede social de Luisa Mel, com o relato e abaixo segue também link do vídeo que chocou a todos.


Quando isso irá parar? 

É tanta violência também contra os animais, que não pode passar em pune. Denunciem.

Vale lembrar que a maioria dos crimes de violência ao animal, são causados por homens. O que o sexo masculino tem em sua essência a ponto de tantas atrocidades.

Dê sua opinião, aqui em nosso blog e não precisa se identificar, pois é importante para nós.

São opiniões que lemos em alguns de nossos programas ao vivo na Rádio Boa Música FM.

Matéria: Ryck Bastos.


Texto de Luiza Mel - Protetora de animais.


Milhares de pessoas me marcaram ontem nesse vídeo! O covarde, canalha, enforca o cão com uma corda puxando-a através do galho de uma árvore. Crianças e adultos das janelas gritam para que ele pare, mas ele não liga e diz que o cão é dele, enquanto continua as atrocidades! Com a denúncia, a equipe do @del.brunolima conseguiu prender o covarde e o pobre cãozinho está agora no @institutoluisamell em segurança! Covarde é pouco para uma pessoa que faz isso!!!!


Link do vídeo: 

https://www.instagram.com/p/CAizQi9AYdR/?utm_source=ig_web_button_share_sheethttps://www.instagram.com/p/CAizQi9AYdR/?utm_source=ig_web_button_share_sheet










Programa Fala Paixão com o tema: Não deixe o samba morrer.

Programa Fala Paixão!
Não deixe o samba morrer






Uma roda de conversa com sambistas da melhor qualidade falando sobre Mangueira, Paixões e suas Torcidas.

Convidadas
@nacaoverdeerosa
@torcidaraizmangueirense
@nacaomangueurense_oficial
E claro vocês.


Ouça ou assista no site:
www.radioboamusicafm.com.br
Ou em nosso blog:
www.radiovoamusicafm.com



Mande mensagens ou perguntas em nossos chat que responderemos ao vivo
Ou participe ligando gratuitamente com sistema de ligação via cam.


Apresentação:
@kakopaixao
Participação:
@adriana.aparecidaalves

Técnica:
@geison.aguiar.7

Produção: @ryck_bastos
@radioboamusicafm

#falapaixao
#naodeixeosambamorrer
#sambaemcasa
#samba
#blocosderua
#comunidadesdesamba
#sambasemfronteira
#familiamangueirense #apaixonadospelamangueira
#ficaemcasa #mangueira
#radioboamusicafm  #boamusica #fm #locutoresdobrasil #informação #notícia
#13maio

Hoje o programa Conversas & Estilos vem com o tema: Musicalidade em tempos de pandemia .





Um programa múltiplo e cheio de estilos. Iniciando agora ao vivo em nossa rádio com a locutora Fernanda de Paula  e músicos do samba.


Ouça ou assista no site:
www.radioboamusicafm.com.br
Ou em nosso blog: www.radioboamusicafm.com

Mande mensagens ou perguntas em nossos chat que responderemos ao vivo


Ou participe ligando e é gratuito.

OBS: Agora temos sistema de ligação Via - Cam a distância. Sejam bem vindos.

Apresentação: @fefadepaula_

Convidados: @rochareinan


Produção: @ryck_bastos
@radioboamusicafm


#ficaemcasa #coronavirus
#radioboamusicafm #radioboamusica #boamusica #fm #locutoresdobrasil #informação #notícia
#música
#samba
#partidoalto

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Programa Do Vale e a questão Trans.


Programa Do Vale e a questão Trans. 





Salve galera, muito boa noite.
No programa desta sexta vamos falar de um assunto que envolve muitas dúvidas que serão discutidas com duas histórias de vida que irão te impactar.

Nessa sexta às 18h receberemos no Vale, Abigail Santos, que iniciou sua transição com 42 anos e hoje é coordenadora do programa Transcidadania onde inspira a vida de muitas mulheres trans e travesti com sua garra e determinação em ser feliz. Estará conosco também Jordhan Lessa, homem trans, carioca que hoje aos 52 anos viaja o país palestrando sobre respeito, amor e direitos da Diversidade.

Prepara aquele espaço no sofá, que esse programa vai balançar as estruturas, falaremos sobre de Transição de gênero tardia.

As novidades, indicação de eventos virtuais e novidades de tudo que está rolando do movimento LGBT ficam por conta do Ghe Santos.

Ouça ou assista no site:
Ou em nosso blog: www.radioboamusicafm.com

Mande mensagens ou perguntas em nossos chat que responderemos ao vivo. 
Participe ligando é gratuito.

Apresentação: @tatto_oliveiraa
Notícias: @ghesantos
Convidades: @abigailloriginal e @jordhanlessapalestrante

Produção: @ryck_bastos @radioboamusicafm

#transicaodegenero #transicaotardia #direitoslutarespeito
#transpower #transgender #homenstrans #mulherestrans #travestiéopoder #contodefadasmoderno #ncresistencia #ficaemcasa #coronavirus
#radioboamusicafm #radioboamusica #boamusica #fm

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Programa #Diversidade e o mundo do samba.




O locutor, músico e locutor Ryck Bastos junto a locutora Carol, que também é música e Tati - comentarista (Supervisora de Cultura da Subprefeitura do Campo Limpo),fizeram um grande programa nessa Quarta Feira dia 20 de maio, transmitido AO VIVO,  pela rádio e plataforma digital Rádio Boa Música FM (Rádio BMFM).

Com grandes músicos como convidados, o programa #Diversidade, vem com novidades. Confira no vídeo acima.

Compartilhe nossas matérias e/ou artigos em suas redes sociais. Nos apoie!

Compartilhe já!