Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2020

.

.

Assista nossa Transmissão ao vivo aqui, clicando no Player. Atualize sua página se for necessário.

Audiência

.

.

Fale conosco, estamos on-line!

.


PLAYER / PROGRAMAS E VÍDEOS CLIPS - DESTAQUES

.

Tradutor

.

Pesquise aqui seus interesses.

.

Ligue ao vivo em nossa rádio e fale conosco.

Reprises

Siga nossa rádio.

Curta nossa Página no Facebook.

Arte Quilombola - Escrita Quilombola

ARTE QUILOMBOLA Escrita Quilombola Por:  Francisca Tainara Eugênio da Silva   LINHAGEM MATRILINEAR Eu sou uma linguagem sagrada Um solo sagrado, um corpo sagrado Um território sagrado Um ser diverso, complexo e até revoltado Com as injustiças a este corpo endereçado Eu sou Tainara Eugênio , filha de tantas mulheres Filha de Maria Luzia; parteira Socorro Eugênio ; professora Ana Maria, liderança quilombola Filha de Teresinha Maria, minha mãe de barriga Eu sou uma menina Apenas uma mulher com várias Tainara dentro de mim Concebida a partir dessas vozes mulheres que em me vivem, Pretas, lideranças, agricultoras, professoras e mães Que me pariram em uma sociedade que caminha Contra as diversidades Eu sou tradição! Mesmo com toda opressão Eu vou resistir, para existir Não posso parar! Talvez eu consiga passar dos 80 tiros Sem a bala encontrar meu corpo ESCOLA… REPRODUZ O QUE SOCIEDADES RACISTAS PRODUZ EDUCAÇ

Mar de desafios

Mar de desafios Tantas emoções que foram sentidas/ Num curto espaço de tempo./ Tantas sensações outrora remexidas/ Se transformaram num triste lamento./ Aportaram num cais vazio.../ Em um pôr do sol alaranjado./ E como âncora arrancada de um navio./ Me vi perdido ali parado./ E as tormentas de um mar bravio/ Me fizeram profundamente repensar./ Jogado a esmo à fio.../ No mar da vida a me desafiar.

O STATUS CRITERIOLOGICAMENTE RELEVANTE DA PÓS-VERDADE

O STATUS CRITERIOLOGICAMENTE RELEVANTE DA PÓS-VERDADE Por : Rogério dos Prazeres Marta Quintiliano Foto: Arquivo Pessoal O problema da pós-verdade tem causado suspeição nas maneiras tradicionais de se fazer jornalismo. E não é só por causa de fake News . A verificação de dados se perdeu na postergação do debate sobre as fontes, ante a proatividade informativa, em que se mitigaram os esforços de detectar as falsidades e destruí-las. [1] Agora, a fim de que inverdades sobre qualquer reputação deixe de se tornar jugo intolerável, todo procedimento investigatório tem se problematizado sobre dúvidas esparsas, subjetivas.  Mas, como a ideia que se encerra sobre a pós-verdade não é uma novidade, agora mais do que nunca resgatar o relato verossímil tem ganhado a aparência de ser algo cada vez mais difícil de ser feito. Não por acaso, quando se fala em divulgação de notícias. Pós-verdade, objetivamente, significa que a verdade não interessa, ela se tornou ultrapassada

VIOLÊNCIA NAS RELAÇÕES AFETIVO-SEXUAIS ENTRE MULHERES ? PRECISAMOS FALAR SOBRE ISSO.

VIOLÊNCIA NAS RELAÇÕES AFETIVO-SEXUAIS ENTRE MULHERES ?  PRECISAMOS FALAR SOBRE ISSO. Por:  Paula Cristina de Almeida Silva  Fonte: Arquivo pessoal Os debates sobre violência conjugal continuam muito necessários, sobretudo neste momento pandêmico em que muitas de nós que podemos, devemos estar recolhidas em nossas casas. E nosso lar, o ambiente familiar em que vivemos, deve ser um lugar seguro, de acolhida, parceria e colaboração. No entanto, o que temos visto é a crescente nos índices de violência doméstica, nomenclatura generalizada que inclui também a violência conjugal, onde o lar passa a configurar verdadeira ameaça às integridades física, psíquica e emocional das mulheres. Um recorte ainda incipiente nesta temática são as abordagens sobre sexualidade/orientação afetiva e violência conjugal. Acredito que os relacionamentos entre mulheres tem a especificidade de, em alguns casos, desenvolver uma violência mais sutil do que as relações heterossexuais e isso

Flores

Flores  As flores que eu trouxe/ Já não cabiam mais.../ E aquele coração doce/ Perdeu-se em ilusões banais./ As flores ali ficaram/ À espera de um amor./ E aos poucos elas murcharam/ Pelo abandono que restou./ As flores que ali sucumbiram.../ Simplesmente se despetalaram/ Suas pétalas dali sumiram/ Dos restos que lá deixaram.

A vítima não é culpada.

A vítima não é culpada. Por: Marta Quintiliano  Foto : Imagem da Internet  Tem dias que preferimos não abrir os olhos e nem ouvir os noticiários que nos abalam profundamente, neste fim de semana veio à tona um dos inúmeros caso de estrupo de vulnerável no país. Um breve resumo, acredito que a maioria de vocês tenha tido acesso em algum momento a essa infeliz história de uma criança de 10 anos que há quatros anos vinha sendo estuprada pelo tio o que acarretou em uma gravidez que traria risco para essa vítima, não apenas por isso mas por tratar-se de uma criança que foi violada do seu direito de ser criança e por um membro familiar. Quando ouvi o desenrolar do caso de que o hospital universitário Cassiano Antônio Moraes ( Hucam) em Vitória  havia se recusado em fazer o procedimento e que um grupo de pessoas de denominação religiosa extremista estavam fazendo manifesto em favor da vida. Vida de quem? Até agorinha eles estavam dizendo “vidas negras importam”

Difíceis tempos

Difíceis tempos É tempo de recolhimento/ De silenciar os mortos.../ É tempo de enumerar pertencimento/ De empilhar os corpos. / De orações serem ouvidas/ Sem velas e despedidas./ De corações calarem suas batidas/ Sem clamores nem desmedidas. / Olhos transformados em correntezas/ Deixando cair suas dores.../ Olhos refogados em incertezas.../ Lavando a saudade de seus amores.

As novas/ velhas facetas do Racismo

As novas/velhas facetas do Racismo Por: Marta Quintiliano     Murilo Oliveira Fonte: Imagem da Internet Nos últimos meses, quase todos os dias vemos nas mídias tradicionais e redes sociais  que acabam sendo mais velozes, como dizem no jornalismo “o furo da notícia” – que através do celular ligado o próprio sujeito produz conteúdos e ao vivo ou em segundos lança em suas redes as notícias das mais variadas. Cada vez mais trazendo à tona a faceta dos racistas que estão em todos os lugares e que não tem vergonha de cometer seus crimes, afinal de contas é só pedir desculpas ou dizer que tem transtornos mentais, ou ainda oferecer suas redes sociais para o “lugar de fala”, por que tá na moda ser antirracista. Todos os  racistas sabem que não serão  punidos pelos seus atos, afinal a estrutura racista os protegem. Apesar de o racismo ser crime no Brasil, a maioria das denuncias são configuradas como injúria racial e o sujeito que comete tal ato passa ileso com ra

Compartilhe nossos artigos e matérias em suas redes sociais.