m Rádio Boa Música FM / Blog de Notícias e Streaming de áudio e vídeos: Nanhé Wodzodzó (O Barro Cura) – Sabedoria das Marias Kariri

Siga nossa rádio.

Slide

Sharethis

câmera estúdio

câmera estúdio

Player Tv Streaming

Visitantes:

Seja bem vindo! Chame-nos no chat.

Fale conosco, estamos on-line!

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilha para diversas Redes Sociais

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Galeria do Instagram

Minhas Redes Socais

Visitas

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Nanhé Wodzodzó (O Barro Cura) – Sabedoria das Marias Kariri

Nanhé Wodzodzó (O Barro Cura) – Sabedoria das Marias Kariri

Por:  Lidiane Kariri Alves

 
Fonte: Arquivo  Pessoal


Sou membra do Coletivo de Mulheres Indígenas e Quilombolas, esse coletivo é formado por mulheres de vários estados do Brasil, porém a maioria são estudantes da Universidade Federal de Goiás. Estamos a mais de um mês realizando propostas a partir da nossa cultura saberes que curam, e quero compartilhar com vocês o Nanhé ( barro) vamos lá?.

 Ah, sigam o nosso instragram @mulheresindigenasequilombolas lá tem outras propostas de cura. O que essa proposta tem a ver com a minha ancestralidade? As comunidades indígenas que vivem dos rios e das florestas conhecem as propriedades curativas de Radá ( Terra) e do Nanhé(barro) e os usam constantemente para a cura e a promoção da saúde do corpo.

Para nós, Kariri ribeirinhos, o Nanhè é um elemento vivo importantíssimo para o nosso modo de ser indígena Kariri ribeirinhos. Usamos o Nanhè para fazer as nossas casas, panelas, pote, fogão, bonecas, brinquedos, remédios, produtos de beleza. Um elemento natural essencial para os cuidados da nossa saúde e produção de um corpo bonito e saudável. Além do Nanhè utilizamos também raízes, cascas, plantas e folhas na produção de saúde e no tratamento ancestral de doenças. Onde eu nasci e me criei ( a beira do Rio Arataú) tinha Nanhé por todos os lados.

Fonte: Arquivo  Pessoal

Nanhè Branco na ribanceira do rio onde fazíamos escorregadores para cair na água, Nanhè vermelho próximo de nossa casa e lama preta no alagado onde pegávamos o peixe lampreia. Quando íamos lavar roupa na beira do rio ou no pedral costumávamos  passar o Nanhè no rosto, braços e costas para proteger do sol. Essa é uma proposta que nós devolve e reafirmar a nossa cultura e ancestralidade.

Sobre a autora: Mulher indígena do povo Kariri, Doutoranda em Antropologia na Universidade Federal de Goiás. 
Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe nossas matérias e/ou artigos em suas redes sociais. Nos apoie!

Compartilhe já!