m Rádio Boa Música FM / Blog de Notícias e Streaming de áudio e vídeos: 2021

play de música

câmera estúdio

câmera estúdio

Player Tv Streaming

Visitantes:

Chat On-Line (Botão Vermelho)

Fale conosco, estamos on-line!

Sharethis

Destaque

Destaque

PLYAER 2 COM VÍDEOS CLIPS - KS

Pesquise aqui seus interesses.

Banner do whats para ligação

Siga nossa rádio.

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilha para diversas Redes Sociais

Clique no botão Flutuando do Whats e ligue ao vivo

Reprises

Galeria do Instagram

Minhas Redes Socais

Visitas

OnSignal - Push Notification

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

T

Todo sangue

Derramado

Também 

É vermelho 

Doralyce se revela cachoeira em novo single “Vá e leve”!

Foto: Divulgação.


 

“Vá e leve”, novo single da cantora e compositora pernambucana Doralyce, é daquelas músicas para se ouvir lembrando de um grande amor que se foi em meio ao destino. É sobre o fim de uma trajetória e sobre recomeço. É para chorar e se libertar. Nela, a intensidade e pureza dos sentimentos do eu-lírico nos comove a cada verso e em toda a interpretação sensível de Dora. A faixa, produzida pela própria artista, tem direção musical de Dudu Souto, violões de Renato Piau e piano de Sir Lucas. “Vá e leve” já está disponível nos aplicativos de música, através do selo Colmeia22, com distribuição da Altafonte.

“Com essa música quero encorajar outras pessoas a encararem suas realidades como ciclos e entenderem que a vida está em movimento o tempo inteiro e nós também estamos. A gente precisa se abrir para o novo e para isso, na maioria das vezes é necessário fechar uma porta do passado”, opina Doralyce.

Ela acrescenta que a canção aborda uma despedida com leveza, com gratidão e com um amor para além do momento. “É muito especial uma mulher preta falar de sentimentos porque o lugar de falar o que sente sempre nos foi negado por essa sociedade racista e misógina. As dores que atravessam a comunidade preta são parecidas e acho que as mulheres que precisam encerrar um ciclo vão se identificar com ‘Vá e leve’ como uma canção de cura”, acredita.

Doralyce tem tocado bastante violão durante a pandemia e foi praticando, dedilhando em busca das notas, que compôs “Vá e leve”. Inspirou-se em clássicos de Cássia Eller, Mart’nália, Tim Maia e Luiz Melodia. Por isso, chamou Piau que já tocou com todos esses nomes, para trazer o tom certo no violão de aço.

Desta vez, Dora apresenta um jeito de cantar uma temática diferente do que seu público está habituado. “Todo mundo me conhece como pedreira e agora eu me revelo cachoeira”, resume.

A artista, ativista e empresária Doralyce é fundadora do selo Colmeia22, voltado para o agenciamento de artistas que fazem parte de minorias sociais. Em seu catálogo constam lançamentos como Bia Ferreira, Tyaro, Bixarte e Júlia Tizumba. Doralyce, com seu trabalho dentro e fora dos palcos, propôs-se a fazer parte de uma revolução feminista e usar a música como sua principal arma. Seus shows são um ritual de som, dança, poesia e fé. Sua sonoridade, a da cultura popular brasileira. Entre suas composições estão os hinos "Miss Beleza Universal" (cantado nos quatro cantos do Brasil) e a versão feminista da música “Mulheres”.

Sua obra é pura libertação e emancipação da mulher afrolatina, questionando os padrões de beleza, democracia, o lugar da mulher e o papel da arte para visibilizar as vozes que foram, historicamente, silenciadas. Doralyce já se tornou uma referência na construção do legado intelectual negro, sendo interpretada por grandes artistas como Bia Ferreira, Gaby Amarantos, Preta Rara e incontáveis rodas de samba e blocos de carnaval (Malunguetú, Tambores de Olokun, Charanga Talismã, Agytoê, Samba Independente dos Bons Costumes e Samba Que Elas Querem).

Libriana, pernambucana e reluzente, cresceu na Zona da Mata canavieira de seu estado, na poesia de Palmares e no sítio histórico de Olinda, sob a influência do "OlindaStyle" e "Manguebeat".

 



Por: Clilton Paz.

Fonte: Ágata Cunha.




Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

Em série de singles inéditos, Simão busca seu pra sempre em “Amores de Verão”!

Foto: Divulgação.


 

Canção é segunda inédita de projeto que terá um novo single a cada 20 dias nos aplicativos de música e visualizer no YouTube.

 

Os românticos podem esperar ansiosos porque Simão promete entregar a trilha sonora perfeita. “Amores de Verão” traduz os apaixonados que buscam não só um lance passageiro, mas um encontro eterno. Além de disponibilizar o single em todos os aplicativos de música, o cantor também liberou um visualizer incrível nas Dunas de Joaquina, em Florianópolis.

“Amores de Verão” faz parte de uma série de canções inéditas que serão agrupadas no novo EP do artista que tem previsão de lançamento até o final do ano. Assim como “Itajaí”, primeiro lançamento do projeto, o novo single foi composto por Simão em um retiro musical com os amigos e produtores Schirmer e GianLucca.

“Essa música é bem romântica, é uma pegada que eu curto bastante fazer e que combina muito comigo. O visualizer tem a intenção de ilustrar a fluidez da canção, mas confesso, até o último lançamento podem esperar um novo clipe”, adianta o artista.

 

Instagram: @simao.eu

Facebook: https://www.facebook.com/sousimao/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCeuq8Tr6N2boYF_d8BgLO7g

 



Por: Clilton Paz.

Fonte: Gabriela Gimenes.




Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Papo sobre cinema!

Fonte: Pin.it.com


    Pelos poderes de Grayskull, Netflix e Kevin Smith bugaram gerações inteiras em 5 episódios!!!

    Masters of the Universe: Revelation (Mestres do Universo: Salvando Eternia), eu ia zoar, mas não tenho tempo, pelo amor de The One Above ALL, me digam que todo mundo já assistiu a essa animação que a Netflix lançou agora dia 23/07! Se não viu ainda, corre, porque a última vez que eu vi algo tão frenético com tão pouco material assim esse ano foi na Amazon com invencível e você pode até dizer "Credo Kong mas e Castlevania?", mas sinceramente não é a mesma coisa, qualquer um que já conhecia Castlevania ficou satisfeito, claro, mas não esperava menos da série. Mas aqui, aqui a série se dá ao luxo de zoar as piadinhas de tiozão do Pavê do He-Man que faziam sentido na época e, claro, agora só poderiam servir como alívio cômico né, e no fim acredito que foi o único alívio cômico desses 5 episódios.

    Assistir He-Man sem o He-Man claro que vai gerar reclamação entre os Machos, porque nesse nós acompanhamos a Jornada de Teela, e aí pronto né, já sabem que vem o povo querer falar que é "Lacração", bom eu já falei aqui o que é lacração na realidade né, então não vou me explicar, Lacrou lindo Sr Kevin Smith, a série começa já mostrando que não veio para brincadeira, tem desmembramento, empalamento, desintegração, até uma leve tostada como diria Genryūsai Shigekuni Yamamoto "alguém aqui assistiu Bleach?". Pode até parecer que não, mas esse começo já deixa bem claro que você não vai ver aquele desenho bem infantil lá de 1983, aqui até mesmo o corpo das mulheres está de acordo com o tema da série, que lembrando, He-Man era para ser um Brinquedo sobre "Conan, O Bárbaro (1982)", mas a Matel na época não teve coragem de coragem de soltar essa violência em brinquedo (e nem dinheiro para animar a série direito, né?), e por tanto, sendo uma série sobre Bárbaros é de se esperar que mesmo as mulheres tenham corpos com mais definição e volume muscular e tá tudo bem, não tem absolutamente nada, nada de errado aí.

    Me surpreendeu ver a coragem do roteiro em simplesmente matar personagens, assim mesmo, estilo o teatro de "Vida de inseto (1998)" ou mais recente "Game of Trones (2011), quando você vê, caiu morto, você vai ficar com raiva, claro que vai, mas se isso atrapalhar sua experiência, rasga sua carteirinha da Locadora de vídeo, porque você nunca cresceu o suficiente para seus pais te deixarem alugar filmes e jogos sozinho, pede a da Mamãe, talvez assim, só talvez, poderiam ter deixado algumas mortes para depois sabe, tem uma morte principalmente que dói demais, você pensa "Por que?? Tantos anos querendo ver fulano Badass e agora morre, por queeee????"

    E por falar em Badass… eu poderia falar sobre Grayskull? Poderia, mas não é do Bárbaro Negão que vou falar, mas sim de Man-At-Arms ou como o conhecemos Mentor, o cara teve até o momento pouco tempo em cena, mas me deixou com a mesma sensação que tenho quando Eiichiro Oda fala de personagens como Benn Beckman em "One Piece (1997)", e chega a ser uma sensação até melhor, pois acreditamos já conhecer o mentor e isso é fantástico (eu sei, eu sei que hoje tô jogando referência na cara de vocês como Ernest Cline faz nos livros Jogador N1 e Armada né, não se preocupem, depois eu lanço um guia de referências custando apenas 5555$, assim vira uma referência ao meu álbum favorito do Daftpunk hahaha).

    Vamos finalizar hoje dizendo que Mestres do Universo: Salvando Eternia só tem 5 episódios até o momento que escrevi esse texto, mas são 5 grandes episódios, de ótima animação e desenvolvimento para os Mestres do Universo, afinal era disso que deveria se tratar, são muitos brinquedos para vender e não só o He-Man (destaque aqui para o aproveitamento de personagens conceituais dos brinquedos que ganharam História própria). "Não Samis não vamos falar do Grayskull ser Negro, porque alguém tão lendário só poderia ser um de nós hahaha", até mesmo Pacato teve seu momento e o que dizer do Esqueleto… que vilão, nunca quis nada do Esqueleto pois ele sempre foi um vilão bobalhão na minha opinião por mais que eu gostasse do design dele, mas agora? Agora eu quero comprar tudo que eu puder com tema do Esqueleto, até a voz do Mark Hamill eu compraria, que vilão mais Filho da… por Odin eu amei hahaha agora sim ele é um Vilão de verdade, ele foi a gota d'água que me fez mudar o papo de hoje de última hora ele e aquele gancho maravilhoso do último episódio, estou mais que satisfeito, aceito um busto do Esqueleto de presente, muito obrigado.

      Sem mais.




Por: K. Kong




Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quarta-feira, 28 de julho de 2021

Peito

Ainda sinto as mesmas emoções/Ao abrir os velhos bilhetes.../ Que me recordam/ As velhas batidas do meu encantado coração. / Os olhos percorrem as amareladas linhas escritas/ Ainda suspurio por cada palavra/ Meu peito ainda grita.

segunda-feira, 26 de julho de 2021

PROGRAMA TERRITÓRIO HIP HOP


PROGRAMA TERRITÓRIO HIP HOP




A SMC lança edital para contratação de artistas e educadores para o Programa Território Hip Hop.

De 23 de julho a 22 de agosto, a SMC está com inscrições abertas para o Território Hip Hop, um programa de formação artística,
 que procura fortalecer a cultura Hip Hop fazendo circular o conhecimento de artistas pelas regiões da cidade, formando novos 
artistas e novos públicos. O Programa é uma luta histórica do Movimento Hip Hop. Para a primeira edição serão selecionados
 20 artistas orientadores e 2 coordenadores artístico-pedagógicos com experiência comprovada na área.





O Território Hip Hop atenderá adolescentes, jovens e adultos, a partir dos 12 (doze) anos, promovendo a ação, reflexão e formação 
sobre a prática artística com os elementos do Hip Hop. É fundamentado pela ideia de cidadania cultural e inspirado no 
Programa Vocacional da Secretaria Municipal de Cultura (SMC) em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (SME). 
Um programa de formação voltado ao Hip Hop é uma demanda de alguns anos dos artistas da cidade.






A SMC coloca a Formação como uma prioridade e está comprometida em garantir os direitos à cultura, à cidadania e à ocupação dos espaços
 públicos de produção e difusão cultural da cidade de São Paulo. Em um momento como o que vivemos, sabemos que o Hip Hop salva vidas.





Chega junto, acesse o edital e faça sua inscrição!

Link: http://supervisaodeformacao.prefeitura.sp.gov.br/index.php/territorio-hip-hop/

#ProgramaTerritorioHipHop
#HipHop
#formacaoartistica
#sãopaulocapitaldacultura
#secretariadecultura



















Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quinta-feira, 22 de julho de 2021

Papo sobre cinema!

Fonte: Pin.it.com



   Duas semanas longe de vocês, desculpem-me, problemas técnicos. Mas não se preocupem vou compensa-los hoje com um #textão e uma forma de terem pelo menos spoilers do que pode vir no futuro dessa coluna, e também porque meu maior Fã Ryck Bastos não para de Marcar meu alter ego nas redes sociais.

    Mas você não chega na casa dos outros jogando bombas se não quer puxar briga (tem muita gente que precisa aprender isso também na vida real, não é mesmo?).

    Kong: Skull Island "Kong: A Ilha da Caveira" que filme lindo e cara, como eu amo odiar o Samuel. hahaha...

    King Kong tem uma história complicada, existe até uma lenda de que quando o primeiro roteiro foi feito, foi dito que o filme era ótimo, mas tinha que tirar o macaco. E sabe que pensando bem faz sentido essa frase ser verdadeira, mas vamos primeiro falar sobre esse filme específico, com essa cor tão exatamente peculiar que nos deixa pensar que o filme se passa em 73 e tem cada enquadramento, cada take maravilhoso, pensa em uma direção competente, Jordan Charles Vogt-Roberts eu não te conheço mas minha barba já respeita a sua, top de mais.

    Eu digo que esse é o único filme do monstro verso onde o Drama Humano não é descartável aliás até os vilões são Humanos digo os vilões porque Fred Flintstone (John Goodman), é o culpado por nosso Herói se ferir em uma luta desnecessária contra o exército Americano e então ser perseguido pelo fanático Coronel Packard, e vamos falar um tiquinho dele e tudo que envolve ele? Sim vamos, eu avisei que era Textão.

    Eu já trouxe para vocês o filme Destacamento Bloods lá atrás e vejam só a diferença, lá era dito que o exército americano na guerra do Vietnã era composto de maioria negra, assim como a história conta, mas aqui por algum motivo quando mostra o quartel quase não tem negros, aliás acho que só tem dois, os mesmos que vão para ilha e um deles, adivinhem, é um alívio cômico… Falo mais nada, Packard por sua vez é mais antagonista do que os Skullcrawler, ele é fanático, doido, doido, doido. Tão doido que não ignora o fato de que foi atacado porque atacou primeiro, aquela história que a gente escuta de americano fanático sabe (tem Brasileiro assim também né, tão bagunçado das ideia que sendo presidente de um País com armamento pra meia hora de treta chegou a insinuar de cair na porrada com EUA, mas cháprala que isso é outro papo).

    E agora vamos falar sobre o astro principal, nosso Herói e o cara ao qual eu homenageio sempre em minha assinatura e hoje vocês vão entender o porquê.

    Kong ou King Kong, é um Gorila gigante criado em 1933 e o que sabemos dele, que desde de lá ele sofre do mesmo problema, Homem Branco e sua ganância. Aqui ele ganha e ganha lindo, é brabo versátil, treteiro de marca maior, ele empolga a cada cena e ainda tem espaço não só para deixar a fotográfica fantástica, mas também referenciar os filmes antigos, como quando fica acorrentado ou as vezes que contracena com a Mulher loira, desculpa gente, mas esse é o Papel Brie Larson nesse filme "A mulher loira que faz referência aos filmes anteriores", não acredita? Tira ela do filme e da câmera fotográfica para o Brooks pra ver se a História não segue igualzinha. Mas voltando ao Kong e sua história triste, eu sempre digo que Cinema não é desligar a mente e assistir, King Kong foi nessa versão movido da África para Ásia, mas o cerne de sua história está ali, o Homem branco chega em um local, se acha superior a tudo aquilo, incomoda os nativos, no caso dos filmes antigos acorrenta eles, os tira de seu lar e quando ele se revolta é taxado como um monstro e então é caçado e morto, você já viu algo parecido na vida real? Se não entendeu, para um pouco o texto pensa e depois volta.

    Kong: A Ilha da Caveira é o melhor filme do monstro verso, eu amo Godzilla e reassisto principalmente o primeiro filme do monstro verso e todos os Japoneses sempre que posso sem brincadeira nenhuma, a Sra. Kong um dia vai dizer que já assisti tanto quanto Toy Story e Django, mas mesmo assim no Monstro Verso Kong é o melhor filme e trás uma visão ainda sofrida, mas vitoriosa do Gorila que por muitos anos jogou na cara de todos que sua história é exatamente a História da escravidão, um contra ponto exato com o Negro que era Rei em sua terra, teve sua vontade quebrada, foi acorrentado, retirado de suas Terras e quando se libertou (porque Isabel boazinha que liberta escravo não existiu tá), foi trado como monstro e burro, mas a verdade é que Kong é incontrolável e por mais que a sociedade o prenda ele se liberta e sobe, cabe a Kong e somente a ele não deixar que a sociedade o derrube e o mate, então é por saber que sou livre e Brabo, que toda a Quinta Feira em um assunto de maioria midiática Branca a assinatura que termina esse texto já foi uma e agora será.



Por: Samir Soares



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quarta-feira, 21 de julho de 2021

Raiz

Sou o fruto

Do ontem plantado

No ventre oriundo

terça-feira, 20 de julho de 2021

Homem joga mulher de carro em movimento e atropela na sequência



Isso que vocês vão conferir nesse exato momento em nossa notícia, é algo extremamente chocante. 
O ser humano cada vez mais, está intolerante e a violência cada vez mais, está se tornando algo comum em términos de relacionamentos que já não iam bem.

    

Os homens cada vez mais cruéis, agressores em seus relacionamentos e muitas vezes, mesmo com suas esposas darem queixa, eles não se sentem intimidados e continuam praticando as crueldades e na realidade brasileira, alguns só vão presos após a agressão, seguida de morte.

Um mulher, de 38 anos, foi arremessada de um veículo em movimento e atropela logo depois pelo companheiro, de 40 anos. O caso aconteceu em São Vicente, no litoral paulista, no último sábado.
De acordo com apuração do G1, o casal estava voltando de uma festa quando começou a discutir dentro do veículo. Na sequência, o agressor jogou a companheira do carro e engatou a ré, passando por cima da perna esquerda da vítima.
Para polícia, empregada doméstica contou que o companheiro desceu do carro e chegou a rir da situação antes de ir embora e deixá-la no local. Ela disse ainda que os dois mantêm um relacionamento há quatros e ele nunca tinha tido este comportamento.
A vítima precisou ser socorrida por moradores, que acionaram também a Polícia Militar. A mulher foi levado ao Hospital Municipal de São Vicente, já o companheiro ainda não foi localizado pelos policiais. O caso foi registrado como violência doméstica e lesão corporal na Delegacia Sede de São Vicente.


Fonte: Isto É



















Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

sexta-feira, 16 de julho de 2021

Papo sobre cinema!

Fonte: Pin.it.com



    "Will, você sempre será meu filho" e aí todo mundo chora, seja por lembrar do episódio do Pai, por lembrar de como a relação deles amadureceu ou porque James Avery já faleceu e nos deixou sem o Tio Phill.

    Sim, não estamos te trollando, hoje eu e meu lado mais emocional vamos falar de The Fresh Prince of Bel-Air Reunion (Um Maluco no Pedaço Reunião) só porque eu acabei de assistir o especial na HBO e eu chorei, não chorei e não chorei pouco, por Odin 1h inteira de lágrimas correndo, mas calma, vamos conversar melhor sobre esse especial aqui.

    Eu preparei um texto bem legal sobre Toy Story que seria o de hoje, pela importância que a obra tem no meu começo no mundo do entretenimento e devo admitir que durante um bom tempo eu simplesmente parei de ligar para Um Maluco no Pedaço, "é um sitcom bem da hora dos anos 90 e é isso" só que eu estava completamente enganado ou melhor me enganando.

    O especial inicia com Will e a Família Banks entrando novamente no cenário e por mais simples que seja já é impactante saber que você não vai assistir a um episódio extra, mas sim um Documentário e mais ainda não poder ver o Tio Phill e nem a tia Vivian Original é muito estranho, mas de fato, não se apegue a esse detalhe a programação a seguir é bem simples, mas dotada de um conteúdo tão grandioso que em 2min você esquece desses detalhes e pelo menos pra mim, rapidamente fui tomado por uma grande onda de nostalgia a cada menção de momentos icônicos e muitas vezes correspondentes às nossas vidas reais.

    É simplesmente fantástico ver que aquelas pessoas que fizeram sim parte da infância ou adolescência não estavam simplesmente fazendo um show, eles eram ativos no roteiro e conscientes de que eram a representação não só de uma família Negra, mas de pessoas Negras em situações reais do nosso cotidiano, um outro exemplo disso está na primeira temporada quando Will e Calton são parados, aliás parados não, presos por serem Negros dirigindo um carro caro, coisa que você pode ter certeza ainda acontece hoje.

    Mas apesar de muita coisa legal que acontece ali como por exemplo a confirmação de que as risadas durante o programa realmente eram de pessoas, tinha um público tal qual Sai de Baixo(1996 a 2002), ou o fato de uma série Negra nos EUA ter mais audiência que Futebol, ou ainda que as cenas do Jazz sendo jogado para fora ele realmente fazia, ou até mesmo a revelação de como foi o dia em que série foi idealiza e que o War Machine (Don Cheadle) estava episódio piloto, nada absolutamente nada vai superar o momento em que eles falam e homenageiam James Avery como o verdadeiro Mestre, com direito a um silêncio ensurdecedor e lindo ao final simplesmente porque não tinha mesmo o que… não vou falar mais, já vou chorar de novo, hahaha...

    E logo na sequência, quebrando um afastamento de 30 anos a reconciliação de Will Smith com Janet Hubert-Whitten, também conhecida como A Tia Vivan Original e cara que momento, um momento que nos faz pensar, quantos erros cometemos na vida e quantas pessoas nós magoamos e deixamos para trás, muitas vezes até escorraçando-as e no fim nós que erramos, quantas Mulheres ainda hoje perdem muito porque nós Homens demoramos muito tempo para aprender que a vida de uma mulher, a vida de uma Mãe é infinitamente mais complicada que a nossa, é difícil imaginar o que essa Mulher pode ter passado naquela época e no fim ela nos deixa a entender que acompanhou tudo até aqui e se seu coração já não estava estilhaçado o suficiente ele vai ficar depois dessa.

    Um Maluco no Pedaço A Reunião é muito mais curto do que eu gostaria, mas é forte, emocionante e quebra totalmente, pelo menos para nós Brasileiros e por Deus espero que não seja só eu, aquela sensação de desgaste que o nosso Sistema Brasileiro de Televisão causou depois de tanta reprise.

    Foi magnífico lembrar que antes de qualquer Obra Cinematográfica que eu guarde no meu coração, foi a família Banks a primeira a dizer… "Não importa de onde você venha Samis, você é Negro para todos então seja Negro e mostre a todas o poder, a importância, a força, e a Vitória do Negro mesmo que em uma comédia"



Por: K. Kong



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quinta-feira, 15 de julho de 2021

33 anos de UNEGRO no Brasil


33 anos de UNEGRO no Brasil






Hoje, 14 de julho de 2021, a UNEGRO completa 33 de fundação, Entidade que guarda semelhança com o Brasil: nasce na Bahia e se estabelece em todo território nacional. 
A fundação da UNEGRO, em 1988, responde as indagações contidas nos debates realizados no centenário da abolição, momento que o Brasil, especialmente a parcela negra desse país, exige ferramentas mais adequadas de combate ao racismo, como forma de concluir a abolição, unir e desenvolver a Nação. 
Nesse mesmo ano o movimento negro emplaca a criminalização do racismo e o reconhecimento dos direitos quilombola na Constituição Federal; impõe a intuição da Fundação Palmares, primeiro órgão de Estado voltado a igualdade racial; cresce o protesto negro nas ruas, especialmente com grandes marchas em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, dentre outros estados. 
Na ocasião a pauta não diferia muito da atual: hegemonia neoliberal assolando a economia nacional, retirando direitos dos trabalhadores e do povo, precarizando serviços e políticas públicas; violência do Estado expressa, em primeira ordem, na brutalidade das polícias, grupos de extermínio e a violência civil sem controle, ceifando paz e vidas negras, femininas e trabalhadoras. O mito da democracia grassava na sociedade. 
Ao longo desses 33 anos de existência, somada ao movimento negro, a UNEGRO deu importante contribuições para o avanço da pauta racial, destaco a democratização do acesso ao ensino superior, o aperfeiçoamento do ordenamento jurídico antirracismo, o surgimento e fortalecimento das ações afirmativas e a proliferação de organismos de igualdade nos espaços públicos e da sociedade civil. Sem perder a dimensão da luta transformadora que une os movimentos revolucionários e populares.
Sim, a UNEGRO é uma ferramenta para transformação, comprometida com o Brasil e seu povo, tem convicção que o racismo é um componente político e ideológico voltado ao benefício da classe dominante, gera cenários materiais concretos para sustentação de privilégios. A luta contra o racismo tem dimensão estrutural, sua justa observância salvará o Brasil da divisão e do subdesenvolvimento, pois o racismo é responsável pelo grande desperdício de inteligência e trabalho - energias vitais que engrandecem uma nação.
No momento que a UNEGRO completa 33 anos, o Brasil vive uma das mais sombrias fases de sua vida política, econômica e institucional. Bolsonaro no Poder é fator de crise, negacionismo, ódio, fome, desemprego, insegurança e morte. É o governo do racismo, misoginia, lgbtfobia, aversão a trabalhadores e pobres, da corrupção e da traição nacional. 
Derrotar Bolsonaro e a corrente político ideológica que sustenta suas sandices é uma importante prioridade da UNEGRO, por isso estaremos nas ruas - lugar de quem luta, lugar de quem transforma – pelo fim de Bolsonaro e por um Brasil sem exploração e opressões e racismo.

Viva a União de Negras e Negros Pela Igualdade!



























Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quarta-feira, 14 de julho de 2021

domingo, 11 de julho de 2021

A Reunião de Coletivos da Casa de Cultura Hip-Hop Sul

A Reunião de Coletivos da Casa de Cultura Hip-Hop Sul






Bom dia, hoje nesse domingão ensolarado, mas com aquele friozinho gostoso para mim e muitas pessoas que adoram esse tempo, porém para os que não gostam, mesmo assim tem um convite especial.

Hoje estarei na Casa de Cultura do Hip Hop Sul, em um encontro e reunião de coletivos, com produtores, artistas e pessoas da comunidade, afim de discutir e sugerir ideias e projetos.

E você está convidado. Porém leve álcool gel e mantenha o distanciamento necessário. 

Eu estarei representando Rádio Boa Música FM, além de conhecer pessoalmente o produtor cultural, Ivo José Dos Santos - Negro Rauls
Coordenador da C.C.M Hip Hop Sul, no qual tive a honra de entrevistar no programa Série Encontros em nossa emissora, porém de forma on-line. o programa foi um sucesso e muito produtivo.





Para quem não assistiu, a reprise já está em nosso site: É só acessar esse link.



A Reunião de Coletivos da Casa de Cultura Hip-Hop Sul ocorre com o intuito de reunir produtores, artistas e comunidade no geral para participarem ativamente da programação cultural do equipamento. Um espaço aberto para apresentar e sugerir atrações e projetos, ou até mesmo entender como é definida a programação da Casa.

Local: presencial com acesso controlado
Data: 11/07/21 (domingo) às 15h.
Duração: 60 minutos


#sms #ccmhiphopsul #hiphop #casadeculturahiphopsul

Ivo José Dos Santos - Negro Rauls
Coordenador da C.C.M Hip Hop Sul
Email: ccmhiphopsul@gmail.com
tel: 11 5631-0740 cel: 9.98454-9138
Rua Sant´Anna,201 – VL São Pedro
04676-110-000 São Paulo SP.

quinta-feira, 8 de julho de 2021

Celebração ao centenário da Semana de Arte Moderna de 1922!

Fonte: Pinterest



    São Paulo, 
    ano 2021, 
    2º ano da pandemia de Covid-19 e 
    465º ano da deglutição do Bispo Sardinha:

    A sociedade se mobiliza. 
    A Cultura enfrenta a encruzilhada! 
    A arte abre caminhos! 
    modernismo 22+100 

    Em celebração ao Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, conheça agora o “Modernismo 22+100”. 

    Um conjunto de ações estruturantes e uma programação que vai atravessar o calendário cultural da cidade, que busca, além de festejar esse marco histórico, trazer reflexões e ações focadas na proposição de um Novo Modernismo – conceito sem amarras, mas cujo eixo vemos nascer nas culturas periféricas e na sua potência transformadora e de vanguarda. O vídeo-manifesto aponta os caminhos dessa grande reflexão, uma oportunidade histórica para a cidade e para a cultura.

Vem aí: os Centros de Referência do Novo Modernismo! 
Vem aí: os Bailes Futuristas! 
Vem aí: o Banquete Antropofágico! 
Vem aí: a Marcha das Utopias! 
Vem aí, os Grandes Cortejos Modernistas! 

    Vem aí! 
modernismo 22+100

    Assista ao video https://youtu.be/EbIUoAVxqDE
  

#sãopaulocapitaldacultura #secretariadecultura #modernismo22mais100 #22mais100 #manifesto



Por: Redação



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quarta-feira, 7 de julho de 2021

quarta-feira, 30 de junho de 2021

Luto

O luto
Que refuto...
Marca mil abismos,
Transportando mil açoites,
Em líricos aforismos.
Aqui jaz em felicitações, 
Transvivendo em dores,
Convivendo em luta por amores,
Abarcando apenas em sofismos,
O desejar de todas as noites.
Refletidos em realismos.

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Grandes artistas e pensadores estão se manifestando contra esse desgoverno,

Grandes artistas e pensadores estão se manifestando contra esse desgoverno.


Grandes artistas e pensadores estão se manifestando contra esse desgoverno, dessa vez quem desabafa é a dançarina Kiusam de Oliveira e nas redes sociais faz suas críticas e sua reflexão intelectual sobre. 

Leia abaixo:




SEMPRE FOI LUTA PELA VIDA E PELA HUMANIDADE! SEMPRE FOI.


Desde o golpe até agora, as lutas que travei foram CONTRA os governos que sempre se declararam a favor da opressão, oposição e desumanização dos processos democráticos conquistados com muito enfrentamento pelas bases populares.

O governo atual foi honesto em seus propósitos: afirmou-se racista, defendeu torturadores e a tortura, mostrou-se homofóbico, atacou as mulheres, assumiu-se favorável ao porte de armas. E venceu nas urnas. 

E nossas vidas foram para sempre transformadas por essa política de morte. É o preço alto que pagamos pelo ódio instaurado - manifestado inclusive pelas fake news atentando contra a honra de pessoas, adversários políticos e instituições. E como a letra da música pergunto "e agora José"? E agora que o país se tornou um vasto e triste cemitério? Meio milhão de mortes que poderiam ter sido evitadas.

Eu só quero que o responsável pague por isso. E será nas ruas, juntes, com máscaras, vacinas e álcool em gel que resolveremos isso, afinal, estamos num país em que os homens do comando são muito mais letais que o vírus.

Sempre foi pela vida! Sempre foi.






#mskiusam #kiusamdeoliveira #vivaosus #elenão #elenunca #500milmortos #meiomilhãodevidasperdidas #genocida  #brasil #covid_19

quinta-feira, 24 de junho de 2021

Papo sobre cinema!

Fonte: Pinterest


    "O risco não vale a pena" Alguém deveria ter lido esse roteiro e avisado o Snyder.

    Army of The Dead (Army of The Dead: invasão em Las Vegas) cansei, não vou mais reclamar dos títulos, vou só deixar vocês darem risada imaginando, é melhor que assistir a essa... a mais essa perda de tempo gigante que o cara responsável por filmes como Madrugada dos Mortos (2004), 300 (2006), Watchmen (2009) e Sucker Punch (2011) consegue realizar tal crime a vida ou ao pós vida, sei lá como os zumbis devem se sentir depois de saber que eles conseguem se reproduzir na cabeça do Snyder né.

    O filme já tem um começo preocupante, porque pensar que a escolta do exército vai desviar de um caso civil em meio ao transporte de algo vindo da famigerada área 51 e que o caminhão militar iria explodir, pior ainda ver a falta de comunicação e preparo dos soldados é tipo um recado "não leva esse filme a sério por gentileza". Isso se você não for maluco igual eu para pensar que os EUA deve sofrer muito com acidentes de trânsito por felação, porque vira e mexe alguém morre assim nos filmes, gente para o carro ou espera um Motel, faz o favor.

    Mas o importante é que daí para frente é só ladeira abaixo e não é porque o zumbi pensa não, mesmo porque na melhor obra de zumbi de todos os tempos eles pensam, para quem não sabe estou falando de A volta dos Mortos vivos (1985), eles pensavam e falavam, mas eram zumbis e não monstros malucos que hibernam no frio, voltam a vida na chuva, que aliás o roteiro joga isso no ar e não mostra nada tipo, "tô falando aqui que rola, mas ninguém importante vai virar zumbi e tomar chuva pra rolar um drama só tô falando mesmo". Sem contar essa ideia insuportável de zumbis que são podres só esteticamente e que ficam mais fortes conforme o tempo passa, que como sempre me dá vontade de quebrar a TV.

    Já falei mal o suficiente? Ainda tem mais texto pela frente então vamos achincalhar mais um pouco com comparações, em Residente Evil (estou falando dos jogos, vamos fingir que os filmes não existiram ok), os personagens em geral não querem mais se envolver com eventos Zumbis, isso se aplica a Jill Valentine, Leon, Cler e Chris, mas as circunstâncias acabam sempre os levando para o olho do furacão, as vezes porque é o trabalho mesmo e às vezes porque eles não tem sorte, já aqui eu escapei de Zumbis, mas aí me aparece um cara com a maior cara de safado de todas falando sobre tirar uma grana e eu claro não só vou voltar como vou levar algumas pessoas que saíram de lá comigo, dinheiro faz sentido, poderia ser um problema com a minha filha que está do lado de fora de Las Vegas, mas não é dinheiro no meio do ninho de um bando de monstro, qual é o sentido?

    Exato nenhum, já sabemos que o filme não faz sentido né então vamos piorar mais.

  O time, temos 3 pessoas que se garantem ou pelo menos são apresentadas como "matadores de zumbis". Um arrombador de cofres, Uma piloto de helicóptero e Um You Tuber e sua convidada (convidado não convida, mas né).

    Dentre todos eles quais são os melhores personagens? Acertou quem falou a convidada do You Tuber, o arrombador de cofres e a piloto, sendo que desses 1 morre muito antes da hora e protagoniza a melhor cena de ação do filme, 1 é alívio cômico e 1 nem entendi ainda porque morreu, mentira eu entendi sim foi culpa da mania de Slow Motion do Zack Snyder.

    A equipe ainda tem as ações de uma guia do reino zumbi, um babaca que todos sabem que vai morrer e uma filha inútil que qualquer um vai dizer, ela vai ferrar com o Pai, sem contar que é a mais previsível de todos os personagens do filme.

    Piadas que não tem graça, ações que não fazem sentido, Zumbis que não sentem o cheiro de uma pessoa específica só porque o roteiro quer, Zumbi que anda a cavalo, cavalo esse que nem tem músculo direito e tem um capacete, tem um capacete que deixa os olhos completamente desprotegidos, mas ninguém mesmo tendo tempo hábil pensa em sentar uma bala logo ali e não estou falando de algo que precisa de muito para mirar não.

    Falar mal desse filme daria um vídeo de 1h ou mais, só que os Snyder fã boys já vão ficar bravos então vou falar de umas coisas boas.

    Chambers: vocês sabem o quanto eu gosto de personagens Mulheres fortes e maluco que Mulher, um verdadeiro desperdício de personagem.

    O começo do filme após o acidente, eu realmente gosto de como o Zack Snyder encaixa bem uma música totalmente fora do contexto da ação e isso sempre fica lindo(com exceção as câmeras lentas demasiadamente repetidas da mulher Maravilha com aquela mulher gritando)

    Tigre Charizard do Ash: simplesmente sensacional, eu odiei aquele tigre carcomido, mas quando eu vi toda aquela zumbizada alternativa e contrabandeada correndo para o ataque e o tigre simplesmente para e deita, ali sim eu ri de mais.

    Ah senhor Zack Snyder, o Snyder Cut infelizmente parece que encheu sua bola quando não deveria, infelizmente porque essa é a segunda vez que você entrega algo nada condizente com seu talento, mas infelizmente a maior parte das pessoas não vão te dizer a verdade e quanto a Netflix, bem nos anos 90 a Fox era conhecida por comprar qualquer coisa e isso nunca foi um problema então fora 365 DNI(2020), tá valendo vermelhinha, manda mais hahahaha



Por: K. Kong



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

DJ Cia apresenta primeiro single de seu álbum solo, com Cynthia Luz e NP Vocal

Fotos: Divulgação



   Primeiro single do álbum oficial do DJ Cia traz o rap, R&B e timbres da nova geração.

   Já consolidado na nata do hip-hop brasileiro por suas performances no turntablism, o célebre DJ Cia acaba de liberar “Não espere perfeição”, mais uma de suas produções, com direito a um videoclipe super produzido. Dançante e cheia de suingue, a canção traz participações de Cynthia Luz, uma das revelações da nova geração da música negra brasileira, e NP Vocal, do grupo PrimeiraMente e também integrante de seu selo Beatloko.

   Dentre as inúmeras produções de DJ Cia, que totalizam participações em mais de 100 álbuns musicais, “Não Espere Perfeição” é um marco em sua carreira, pois se trata do primeiro single de seu primeiro álbum oficial, previamente intitulado “Por Onde Andei”.

“Essa obra é fruto de cerca de 30 anos de carreira artística e acredito que representa um amadurecimento musical e artístico que adquiri nessa longa caminhada, o que inclui não apenas minhas andanças na cultura hip-hop, mas também minhas experiências e aprendizados em outras vertentes”, define o DJ, produtor musical e empresário, criador do selo Beatloko, ao mencionar seu histórico de trabalhos – com nomes que vão de RZO e Racionais MCs a Sabotage e Negra Li, passando por nomes ecléticos, como Elza Soares, Caetano Veloso, Seu Jorge, Charlie Brown Jr., Ana Carolina e Haikaiss, dentre outros.

   O nome “Por Onde Andei” expressa bem essa trajetória percorrida, porque traz não apenas nomes do hip-hop, mas de outras influências rítmicas com as quais aprendi bastante e evoluí”, explica DJ Cia, cujo nome despontou artisticamente depois de se sagrar bicampeão do campeonato Hip-Hop DJ, em 1997/1998.

   Mas sua caminhada é ainda mais longeva e, se considerarmos sua educação musical, é algo que vem de berço – ele é filho de DJ Alemão, da tradicional equipe de bailes Transa Som. “Em breve apresentaremos as outras canções de meu álbum, que trará participações de outros nomes de peso das cenas nacional e internacional”, acrescenta, ao deixar no ar as surpresas que ainda virão.

    Primeiro ‘aperitivo’ da tão aguardada obra, ”Não Espere Perfeição” mistura agradáveis timbres de soul e R&B, com uma energia leve, de curtição da noite, ainda que a composição aborde a questão de relacionamentos conturbados. A introdução do videoclipe, que é dirigido por Pretto Nascimento, mostra uma interpretação do próprio DJ tendo uma ‘DR’ (discussão de relacionamento) com sua parceira, interpretada pela atriz Eduarda Benevides.

    Com elogiável fotografia assinada por Caio Nigro e Padu Palmério, o filme ainda agrega participações especiais de MC IG, DJ Puff, Malcolm VL e Dagrace, dentre outros artistas.



Texto: Marcelo Girard.



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Casulo

O complexo 

Se tornou reverso,

Na ponta do meu verso,

Ficou sem nexo

quinta-feira, 17 de junho de 2021

Papo sobre cinema!

Fonte: Pinterest


    Eu ouvi dizer que vocês querem conhecer o "Homem por trás do monstro", não é? Bom, eu vou contar, mas antes vamos brincar de How I Met Your Mother "2005-2013" e assim como o desinteressante Ted, ao invés de já revelar, eu vou contar uma história antes, com uma sequência de Obras que marcaram a minha vida semana sim semana não e para começar…

    "O que eles têm aí, o King King?" Ah Dr. Malcon, eles não tem não, mas essa citação me deixa muito feliz hahahaha.

   Jurassic Park (Jurassic Park - Parque dos dinossauros) é sério esse título Brasil? Esse negócio de dar os títulos deve ser passado de geração em geração hahahaha, enfim… Eu nasci em 1991 e em 1993 eu fui ao cinema pela primeira vez, eu não me lembro de nada claro, mas diz a senhora minha minha mãe que aquele bebê não chorou e nem piscou durante a sessão. Nascia ali K.Kong e não poderia ser com outro filme, a trilha "Welcome To Jurassic Park" de John Willians me arrepia desde que consigo me lembrar, mais até que as trilhas de Star Wars e isso não é nada fácil, acreditem.

    Existem filmes que são magníficos em sua época, mas que precisam sim serem refeitos para a nova geração de espectadores ou que precisam só mesmo ficar na memória, porque quando a gente assiste agora, Humm, desce rasgando a infância ou sua filha diz "que filme ruim, olha esse CGI, aff desisto desse filme, não quero mais", mas aqui no filme do Vovô Spielberg, isso não vai rolar ainda por um bom tempo.

    Não importa o quanto eu assista, principalmente o primeiro, porque eu sou tão fãboy que gosto até do que é piorzinho né, esse filme sempre me prende, seja pela nostalgia, pela paixão por "monstros", que com certeza começou aqui e não com Changeman, Power Rangers, Giraya, Ultraman e demais Tokusatsu, que sim, eu também amo. Ou mesmo pelo fato da história que enfim, é aquilo, mas com o tempo a gente começa a notar outras coisas que chamam muita atenção, como por exemplo o cuidado de não só dizer que o Dr. Alan Grant é uma pessoa Horrível, como mostrar isso mesmo que ele não esteja em foco, o filme o apresenta, fala sobre tudo de ruim que ele tem e ele realmente reage em cada cena mostrando seu desgosto, até que no fim ele aceita, por exemplo, que as crianças gostam dele e que nem são tão ruins assim (não Sra. Kong, meu pensamento com gatos não vai mudar igual o dele com crianças hahaha).

    E por falar em crianças, Pai que dó dos mirins Lex e Tim Murphy, ninguém nesse filme, nem o Dr. Ian com sua perna bem quebrada e de frente para o T.Rex sem poder correr, sofre tanto, fico imaginando o quanto foi gasto com psicólogo com esses dois, não gosto de árvores, não gosto de lama, maçanetas não são seguras, não como sozinho em restaurante nenhum, será que a tremedeira da Lex voltou agora que os dinos estão soltos por aí, aliás quem são os pais dessas crianças? Devem se sentir mal até hoje. Destaque aqui para a separação de presepadas:

    Tim: preso no carro, preso na árvore, eletrocutado, todo estrunchado tendo que correr de Raptores

    Lex: atrai o Rex, quase esmagada pelo carro, largada pelo advogado cagão, pegou Gripe de Brontossauro, viu os Raptores primeiros e ainda quase foi comida quando caiu do teto.

  Existem algumas coisas na franquia que me incomodam claro, como o vilão mais desagradável do cinema que deveria ter um final muito pior, sim estou falando de você Dennis Nedry, aposto que até Wayne Knight que te deu vida ama te odiar, o fato ser dito que o T-Rex corre a 100 Km, mas em Jurassic World, Claire Dearing correr dela e de salto alto e para fechar Samuel L. Jackson está no filme e não pode nem filmar a sua morte dizendo um "Filha da …" como sempre, pois um Fucking Furacão o impediu de chegar ao Havaí e filmar a cena.

    Claro que existem mais coisas que me incomodam, mas não quero contar hahaha

    Jurassic Park marcou gerações inteiras, é rico em detalhes, está de longe a frente de sua época e é o pé que me levou, assim como muitas outras pessoas, a me apaixonar pelo cinema de alguma forma, lembrando que depois disso todo o filme de bicho gigante que come as pessoas e não é maligno eu torço para os Bichos ficarem vivos e em paz e os Humanos que Morram.

    Quem não assistiu por favor, toma vergonha na cara e vai assistir.

    Ah, olha eu esquecendo de novo, as mulheres nessas franquias são sempre bravas né, fazem um escândalo, mas sempre tomam a frente em algum momento, mas só nesse primeiro filme que isso gera até um início de discussão sobre sexismo.

    Menção mais que honrosa para John Hammond, personagem maravilhoso, encantador, cativante demais, da até uma coisinha no coração quando ele fica desolado vendo o sonho dele morrer, afinal o sonho de Hammond é tudo nesse universo e por tanto é tudo para nós.



Por: K. Kong



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

Compartilhe nossas matérias e/ou artigos em suas redes sociais. Nos apoie!