Pular para o conteúdo principal

.

.

Assista nossa Transmissão ao vivo aqui, clicando no Player. Atualize sua página se for necessário.

Audiência

.

.

Fale conosco, estamos on-line!

.


PLAYER / PROGRAMAS E VÍDEOS CLIPS - DESTAQUES

.

Tradutor

.

Pesquise aqui seus interesses.

.

Ligue ao vivo em nossa rádio e fale conosco.

Reprises

Siga nossa rádio.

Curta nossa Página no Facebook.

Papo sobre cinema!

Fonte: Pinterest



    E ai pessoal como vocês estão?

    Eu sei que 2020 já acabou, mas como ele não foi feito só de coisa ruim resolvi conversar com vocês também sobre o Melhor filme de 2020

    Eu quase quase quase vim falar sobre O Resgate ou O Poço, mas o filme do Ano vai além da ação lindamente coreografada ou da história interessante e repleta de simbologia e claro, só poderia ser um filme dirigido por um mestre que na real sim tão importante quanto Scorsese, Spielberg e esses outros monstros que são falados o tempo todo.

    "Eu acho que, os Estados Unidos nos deve, nós construimos essa merda!" Pois é Norman dívida histórica é um ponto em tudo que o Brasil também nos deve, construímos e fizemos história aqui mas são os colonizadores que tem estátuas e imagina você que aqui homens e mulheres negros que estão nos livros de história são mostrados como brancos.

    Sim, eu estou falando de um filme directed by Spike Lee, que fala sobre a guerra do Vietnã como você com certeza nunca viu. Da 5 Bloods (Destacamento Blood), é como um Headshot a queima roupa por dois motivos, o seu claro posicionamento e a época que ele foi lançado, falar abertamente sobre o quão ruim foi a escolha do atual Presidente e criticar firmemente a Guerra em que os EUA teimam em fingir que ganharam onde no fim das contas a única coisa que o país fez foi jogar vidas negras para morte bem durante o momento em que os protestos contra o racismo estouraram no país? Isso foi lindo.

    Mas não é só isso que torna esse o melhor filme, Spike Lee tem o jeito, ele sabe fazer bem o trabalho dele e aqui ele mostra muito bem isso. Cada escolha de enquadramento nas câmeras que param quase um minuto que revelam símbolos específicos, vídeos e fotos reais mostradas durante o filme, na estética ou mesmo na mudança de proporção da tela, primeiro variando de 16:9 durante todo o primeiro ato, 4:3 nas lembranças e abrindo totalmente a tela no terceiro ato.

    A trama mostra a jornada de 4 veteranos que voltando ao Vietnã oficialmente para buscar os restos mortais de seu companheiro e comandante Norman, nossa saudoso Chadwick Boseman, mas extra-oficialmente também foram buscar o ouro que esconderam lá na época da Guerra.

    Durante esse percurso o filme faz questão de falar algumas verdades, como por exemplo o fato de termos heróis cinematográficos como Sylvester Stallone e Chuck Norris, mas quem realmente lutou foram os negros, a escolha infeliz do Presidente Americano e ainda com apoio de alguns negros como por exemplo Paul (Delroy Lindo), que é um dos veteranos, um homem visivelmente atormentado pela guerra que ainda acaba reproduzindo todo tipo de pré conceito e toda aquela superioridade Americana dos que gostam de sempre se dizer os melhores dos melhores do mundo e ter suas próprias versões de tudo (Americanos de verdade sabe), ele também é protagonista de um ótimo monólogo (sim tem espaço para um monólogo no filme), onde ele durante uma crise de loucura não fala sozinho ele fala diretamente com a câmera e aí eu deixo a cargo de cada um de vocês saber se ele está falando contigo ou não.

    E por falar em racismo, chega a doer saber que os soldados brancos ensinavam os vietnamitas a não gostar dos negros, porque escravizar, marginalizar e mandar para a morte não é o suficiente, tem que fazer todo o mundo não gostar de negros, mas o filme não mostra só a tristeza dos soldados negros americanos, existe uma humildade aqui em mostrar também que os viatnamitas também sofreram e ainda sofrem por conta da guerra, uma cicatriz assim como a nossa que ainda sangra.

    O filme dá muita atenção para Paul o que faz sentido pois é o mais traumatizado dentre os personagens porém eu particularmente gosto bem mais do Iris (Clarke Peters), ele é o pé no chão do presente do filme, assim como Norman é no passado mas não tão poderoso como ele. E por falar em Norman o roteiro e a direção são muito inteligentes em não só falar o quanto ele era especial mas também fazer questão de mostrar, ele é o líder dos Black Panther, é Mohamed Ali, Malcon X e ao mesmo tempo é Martin Luther King e está morto no filme pois seria impossível ter todo esse poder na tela e o filme ter uma história hahahaha o cara é demais. 

    Acho que falei demais já, mas gostaria de ainda ressaltar a trilha sonora maravilhosa e certeira que hora traz de propósito músicas dos filmes de guerra de gente branca e hora traz sons dignos da Blaxploitation, dizer que eu poderia falar sobre esse filme por horas e contar a quantidade de vezes que ele repete o descontentamento pelo Presidente laranja e por fim… Spike Lee fez mais um filme de guerra tão bom quanto os filmes de guerra dos outros, o filme vai ser premiado ou a Academia vai encontrar mais um filme de alguém dirigindo um carro para dar o Oscar no lugar dele?

Solid!



Por: K. Kong



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

Comentários

  1. Parabéns! Você é um ótimo comentarista!
    Estarei atenta para os próximos ..
    Valeu Rádio Boa Música FM como sempre mandando bem 😘😘😘😘

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Compartilhe nossos artigos e matérias em suas redes sociais.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo programa estreia na Rádio Boa Música FM essa Quarta-Feira. 

Novo programa estreia na rádio boa música FM essa Quarta-Feira.   O programa semeando a palavra de Deus. Visa falar com toda a população do Capão redondo principalmente e adjacentes claro. Levando a palavra de Deus e alertando as pessoas da cumplicidade com ele e com nossos irmãos. Mediante a tantas dificuldades que estamos passando com a pandemia. Todo esse caos a falta de amor. Amor próprio e amor pelo próximo. Faz com que a nossa população cada vez mais seja refém do ódio, da doença, da dor, da hipocrisia, do preconceito e da materialização dos sentimentos secundários sentimento esses que acabam desunindo e em um  momento tão crítico que deveria nos unir, faz ao contrário. Através do programa Semeando a palavra de Deus, na rádio Boa Música FM, que será transmitido às 19:00, da 19 às 20:00 da quarta-feira Vamos falar com todos vocês irmãos e irmãs. Que podem nos apenas nos ouvir? Ou se quiserem nos assistir e fazer parte desse programa. Mandando mensagem através do nosso chat

Margareth Menezes homenageia Capinam

Margareth Menezes homenageia Capinam Cantora baiana participa de uma entrevista na Rádio Boa Música FM e solta a voz numa bela canção em homenagem ao eterno Capinam.             Numa recente visita à Rádio Boa Música FM, para uma entrevista, a cantora baiana Margareth Menezes fez uma homenagem ao poeta, músico brasileiro e imortal da Academia de Letras da Bahia - José Carlos Capinan. Com a música “Chão de Pedras”, lançada na Rádio Boa Música FM e que já é sucesso na programação da mesma, Margareth faz um dueto com Jair Luz. A produção ficou a cargo de Humberto Miranda, que também produz, artisticamente e musicalmente, a Casa de Show Carioca Club e o programa Rádio Boa Música FM. Além destes dois espaços, Humberto é diretor artístico do selo “Samba em Movimento” na gravadora Kuarup Produtora. Entusiasmada com a entrevista, Margareth Menezes disse que em breve retornará aos programas Rádio Boa Música FM, que por sinal é um dos programas que mais tocam as canções da cantora baia