m Rádio Boa Música FM / Blog de Notícias e Streaming de áudio e vídeos: Papo sobre Cinema!

play de música

câmera estúdio

câmera estúdio

Player Tv Streaming

Visitantes:

Seja bem vindo! Chame-nos no chat.

Fale conosco, estamos on-line!

Sharethis

Destaque

Destaque

PLYAER 2 COM VÍDEOS CLIPS - KS

Siga nossa rádio.

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilha para diversas Redes Sociais

Reprises

Galeria do Instagram

Minhas Redes Socais

Visitas

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Papo sobre Cinema!

Fonte: Pinterest



    Boa tarde pessoal!

    Eu estou triste de tanto rir, mas isso só por saber que Netflix entre Domingo e Quarta tirou nosso filme do catálogo e quem não viu não vai rir loucamente. 

    "Tudo que você fez com suas amigas nós fizemos melhor". As vezes aparecem uns filmes que jogam umas frases dessas e no fim você fica procurando essa superioridade toda durante anos, tipo o "Atermis Fowl" assim sabe? Mas sinceramente, Ryan Pierce tem razão, elas estão em outro nível. hahahahaha...

    Girls Trip (A viagem das garotas/amigas), é dirigido por Malcolm D. Lee (sim mais um negro), e o cara manja dessas comédias negras, ele é diretor por exemplo do fantástico filme "Com a Cor e a Coragem" e alguns muitos outros filmes negros do gênero comédia que eu duvido você não gostar, e desse aqui você vai gostar, tenho certeza!

    É difícil não dar spoilers, mas vamos dizer que o começo do filme, não entrega de jeito o que as próximas 2h te reservam, nós temos uma mulher negra escritora bem sucedida, Ryan Pierce (Regina Hall), com um casamento perfeito cheio de sorrisos (porque casou com o Lucke Cage, que estava fingindo ser jogador de futebol americano), pronta para fazer uma viagem e fechar um novo negócio, porém com saudade das grandes amigas que ela acabou abandonando, então ela convida as amigas para curtir um festival em Nova Orleans, juntas elas se denominam "As Poderosas", time esse formado por: Lisa Cooper (Jada Pinkett Smith), Sasha Franklin (Queen Latifah), que vale dizer aqui que eu amo de mais e me lembra muito uma Tia minha, que o Senhor Ryck Bastos conhece, hahaha... e a Alma do filme Dina (Tiffany Haddish).

    Apesar de deixar claro que a Dina é a melhor personagem, o pé para todas as piadas do filme e que te faz esquecer de todo resto da tela quando está em cena só para ver a reação dela, o filme e todos os personagens funcionam muito bem, essas mulheres conseguem mudar o tom do filme de forma magistral entre comédia e drama, Stewart Pierce(Mike Colter) porque, enfim o filme é delas e ele é babaca, contrário a Julian Stevens (Larenz Tate) que é um verdadeiro homão mas também não vou falar mais dele, hahaha...

    Enfim temos diálogos recheados de palavrões e frases inteiras de cunho sexual, oque NÃO É UM PROBLEMA, homens falaram palavrão, falam sobre sexo e o que dizem que fazem com as mulheres o tempo todo e ninguém reclama (tirando um presidente aí que só sabe mesmo falar em matar e depois que mata finge que não falou ou fez oque fez né), então elas vão falar e vocês vão gostar, aliás tem uma sequência aqui que… chuva de prata é tudo que eu posso dizer, mas é incrível, hahahaha...

    Há também a cena de dança e na moral, irmãos Wayans suas "Branquelas" dançam mais que patricinhas brancas, mas não mais que essas mulheres, e não reclamem porque mulher negra americana ataca onde dói, no seu carro hahahaha (só os melhores vão entender essa chuva de referências, uma dica não são do filme por que aqui quando quebra um vidro é para ameaçar um babaca com uma garrafa, hahaha).

    Infelizmente nem tudo é maravilhoso né, existe uma piada recorrente em comédias americanas que apesar de não ser exclusivamente negra me incomoda profundamente, é estou falando da maconha, não me julguem mal, eu não tenho problema nenhum com quem fuma, fora claro que no meu caso o cheiro me faz passar mal, isso também acontece com cigarro inclusive, mas enfim. No caso dos filmes negros me incomoda muito pensar que principalmente lá nos EUA o uso da maconha foi vinculado ao negro como uma forma de marginalizar todos os afro americanos e na minha visão, manter todo negro vinculado a maconha nos filmes e ainda a escondendo, mesmo que muito engraçado não me cai nada bem. Eu sei eu sei, a cultura lá é diferente, tem lugares onde é legal e boa parte da população lá já fumou pelo menos na faculdade, mas sei lá, se é legal então porque tem sempre alguém escondendo? E porque quando tem branco junto eles normalmente dizem não gostar e depois ficam bem loucos como se o negro fosse a tentação que vence sabe.

    Eu ainda estou chateado pelo filme não estar mais no catálogo mas posso dizer que ele já muito faz parte do meu Top10 de comédias e não é um 10° nem a pau, por falar nisso, cuidado com suco de toranja, aparentemente ele arde muito, hahahahahahahahahahahahahaha...



Por: K. Kong




Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe nossas matérias e/ou artigos em suas redes sociais. Nos apoie!

Compartilhe já!