m Rádio Boa Música FM / Blog de Notícias e Streaming de áudio e vídeos: Papo sobre cinema!

play de música

câmera estúdio

câmera estúdio

Player Tv Streaming

Visitantes:

Chat On-Line (Botão Vermelho)

Fale conosco, estamos on-line!

Sharethis

Destaque

Destaque

PLYAER 2 COM VÍDEOS CLIPS - KS

Pesquise aqui seus interesses.

Banner do whats para ligação

Siga nossa rádio.

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilhe nosso blog e programas ao vivo para seus amigos e familiares clicando abaixo nos botões

Compartilha para diversas Redes Sociais

Clique no botão Flutuando do Whats e ligue ao vivo

Reprises

Galeria do Instagram

Minhas Redes Socais

Visitas

OnSignal - Push Notification

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Papo sobre cinema!

Fonte: Pinterest


Express yourself
Express yourself
Oh, do it, oh, do it
Do it to it, go on and do it
Yo, do it, give
Express yourself
Express yourself
Do it, oh Lord
Do it, yeah
Express yourself
Express yourself
Express yourself

    Não existe uma outra forma melhor de começar esse texto de hoje se não com esse refrão da música Express Yourself - N.W.A sampleado da música de mesmo nome de Charles Wright.

    Sabe hoje eu estava pronto para falar com vocês sobre um filme, inclusive Brasileiro, em um texto super descontraído, mas algumas situações no nosso País simplesmente não podem ser ignoradas e então como um raio a Netflix Jogou na minha cara esse filme, que que na verdade eu já tinha assistido lá em 2015, mas caiu como uma luva para essa semana.

    Straight Outta Compton, dirigido F. Gary Gray ( filmes bons nesse currículo em). O filme conta a História do grupo de Rap N.W.A de 1988 e sim, com toda certeza, deve deixar de mostrar algumas coisas, atitudes reprováveis e etc, mas isso sempre acontece quando a História de alguém é contada no cinema, seja no roteiro, nas filmagens, na pós produção ou na veiculação, como aconteceu por exemplo com o filme Tim Maia de 2014, quando exibido na TV e deve uma certa parte envolvendo um certo Rei cortada, mas no caso do nosso filme de hoje, isso tá mais para uma escolha narrativa, a final de contas é um filme de um grupo negro Americano e qualquer coisa pode ser colocada como mais importante do que o que realmente importa.

   Introduzidos? Legal, então bora lá… É muito bom a forma com que os principais acontecimentos e símbolos são tratados e inseridos de forma natural no filme "Ah!! Mas isso é porque é uma História real", Noop, não é porque uma História é real que ela é bem adaptada, o diretor poderia ter escolhido colocar por exemplo Jerry Heller como um Branco safado aproveitador de Negros só, simples e tchau, mas não, Jerry Heller foi retratado como um Empresário que sacaneou um grupo e poderia ter sacaneado até o um dos grupos mais branquelos que conheço, o Backstreet Boys, claro que em 1988 ele pode ter pensado que era mais fácil sacanear o Grupo talentoso de negros, afinal eles eram de Compton, e quem leu aqui e depois foi assistir Boiz in da Hood, entendeu oque eu quis dizer.

    Mas um Empresário ladrão não é o pior dos problemas aqui, mas sim os verdadeiros vilões, a Policia e a Sociedade.

    Quando eu era pequeno eu amava Beverly Hills Cop (Um tira da pesada, 1984), eu queria ser Axel Foley, assim como eu admirava um policial do mundo real, porém não demorou muito para minha opinião sobre ser um policial mudar, ainda amo o Detetive Foley, assim como o policial em questão, peço até desculpas aos bons policiais, mas a verdade é que ainda nos anos 90 eu descobri que Polícia é o um dos poucos vilões que eu não tinha a mínima vontade de ser.

    O filme mostra inclusive a diferença de linguagem que é utilizada quando a palavra é dirigida a Negros ou a Brancos e não adianta dizer que isso era em 88 pois não faz muito tempo uma comerciante Branca no Sul do nosso País foi brutalmente atacada por um agressor de farda dentro do seu estabelecimento, por reclamar da forma com que os policiais estavam abordando outro rapaz e esse ato foi considerado como ok pela polícia, imagina oque aconteceria se fosse uma mulher negra?

    Considerados a escória dentre os artistas pela mídia e presos pelo simples ato de se expressarem.

  Liberdade de expressão é o assunto da música no começo do texto né, pois bem N.W.A (Niggaz Wit Attitudes), o nome do grupo sozinho já é um movimento, pois atitude é tudo aquilo que a sociedade tenta tirar do nosso povo e através do Rap eles e muitos outros Rappers ergueram sua voz e mostraram ao povo que os tempos estavam mudando e nós teríamos nossa voz cada vez mais impossível de ser calada.

    Mas claro que assim como hoje ainda tem político querendo processar pessoas por falar a verdade, imagina nos anos 80 o que aconteceu com um grupo de Jovens Negros, Rappers, que tiveram a audácia de dizer coisa como:

Fuck the police, fuck-,
fuckFuck the police, fuck-, fuck
Fuck the police, fuck the-, fuck the
Fuck the police

Yeah, man, what you need?
Police, open now (Aww, shit)
We have a warrant for Eazy-E's arrest
Get down and put your hands right where I can see 'em!

Man, what the fuck did I do?
Man, what did I do?
Just shut the fuck up and get your motherfucking ass on the floor!

    Straight Outta Compton não se resume só a isso, temos claro as Gangs, drogas, armas a afirmação de que apesar de sermos vinculados sempre a essas coisas, não temos condições para financiá-las, HIV, o caso Rodney King e um maravilhos close nas bandanas vermelha e azul amarradas, mostrando que ali não importava gangues só importava que um Negro foi morto só por ser Negro e Sabemos disso e muito mais. Ah, temos Ice Cube e o bastão de baseball.

    É um ótimo filme sobre um ótimo grupo que era na época visto da mesma forma que o Funk hoje é visto.

    Queria só finalizar dizendo que até pouco tempo atrás eu não lembrava o motivo pelo qual eu gostava tanto deles, mas o motivo é simples, eles são maus, eles sempre tiveram a coragem de dizer o que tinha que ser dito, de dizer que estamos aqui e nossa voz não pode ser calada.

       Que o mau nesse caso é bom, porque se você oprime alguém uma hora ele vai reagir de alguma forma e o Rap é uma dessas formas.

   Respeitem nossa cultura, nossas músicas, nossos cabelos, nossa voz e nossa ancestralidade, não seremos calados nunca mais.



Por: K. Kong



Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

Um comentário:

  1. Não assisti o filme em questão mas já me acostumei com a crítica de nosso caro K Kong e a verdade é que no final das contas ele está certíssimo...
    Respeito e bom e todo mundo gosta
    Parabéns KKong.
    PS,vou assistir o filme

    ResponderExcluir

Compartilhe nossas matérias e/ou artigos em suas redes sociais. Nos apoie!