Pular para o conteúdo principal

.

.

Assista nossa Transmissão ao vivo aqui, clicando no Player. Atualize sua página se for necessário.

Audiência

.

.

Fale conosco, estamos on-line!

.


PLAYER / PROGRAMAS E VÍDEOS CLIPS - DESTAQUES

.

Tradutor

.

Pesquise aqui seus interesses.

.

Ligue ao vivo em nossa rádio e fale conosco.

Reprises

Siga nossa rádio.

Curta nossa Página no Facebook.

Papo Sobre Cinema!

Fonte: Pin.it.com


    The Harder They Fall "Vingança & Castigo", em Português tá bem fácil de confundir com um título famoso de Jane Austen, não é mesmo? hahhaahaha

    Muito bem, voltamos ao gênero mais branquelo do Cinema, o gênero Western é gigante é muito muito muito grande com filmes lendários e outros que você nem lembra que são do estilo, 2 Homens e um Destino (1969), ou a trilogia do Pistoleiro sem nome protagonizada por Clint Eastwood "Por um Punhado de Dólares (1964)", "Por uns Dólares a Mais (1965)" e "Três Homens em Conflito (1966)" (filme esse que se você procurar o o nome original e não concordar que tem alguma coisa errada com quem da os nomes em Português você com certeza tem algum problema), e muito, mas muito mais, como as duas versões de  Sete Homens e um Destino lá em 1960 e depois em 2016. Os dois primeiros Faroestes que assisti prestando atenção na vida foram Um Drink no Inferno 3 (1999) e Ned Kelly (2003), vou parar por aqui se não termino só amanhã, ainda nem cheguei em De Volta para o Futuro 3 (1990) hahahaha...

    Só que a maior parte desses filmes se resume em cowboys Brancos contra Índios ou Brancos contra Brancos e até então ok ou não né, afinal Branco contra índio era só para afirmar para ao público o quanto o Índio é vilanesco, malvado e precisa morrer, essas coisas que gente Branca faz pra colocar na mente das pessoas que eles são os Heróis lindos que salvam o mundo dos malvados NATIVOS das terras que eles INVADEM, mas aí lá em 2012 um branco muito do brabo resolveu fazer um filminho lá. Django Livre com o Jaime Fox (sabe aquele que já falamos aqui, se não sabe Vai lá depois conferir), e aí surgiu o meu Western favorito, juro que achei que seria muito difícil me empolgarem assim novamente só que do nada apareceu esse Negro Jeymes Samuel "The Bullitts" com um filme onde um dos produtores é ninguém mais que o cara conhecido pelos mais novos como marido da Beyoncé antes chamado de Jay-Z, então resolvi assistir e o resultado foi.

    A direção de Jaymes Samuel fez diversas escolhas certeiras, cenas meio abertas dando uma noção de espaço deserto, mas sem abrir muito e perder o foco no que realmente interessa (a fotografia em geral é de chorar de beleza), closes assertivos nas expressões certinhas, aquela primeira sequência na casa do padre… aaaah o filme me ganhou ali, talvez mais rápido do que Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), a trilha sonora é espetacular e sem igual e não falha em momento algum e os cortes, ele não se preocupa em cortar, tem hora que você jura que ele vai meter um Snyder, mas aí vem o corte, nada prolongado ele mostra o que realmente importa, o resto é só Elipse, porque sim.

    Vamos falar sobre personalidade, a marca desse filme, todos os personagens tem a sua própria, "Ah mas fulano é aquele cara vingativo padrão", esse fulano que você está falando é Nat Love, personagem de Jonathan Majors e sim ele é vingativo, mas também é apaixonado, confiante, amigo, melancólico até e ele é ele mesmo, não é aquele cara sério sem escrúpulos que mata geral e não se importa com ninguém, um boneco sem maneirismos próprios e isso é assim por todo lado, pluralidade, todo Negro é plural aqui, Rufus Buck  é uma lenda, é o imbatível porém você olha nos olhos de Idris Elba e tem certeza que aquele maluco já sofreu demais, Mary? Uma mulher independente, corajosa, articulada etc, eu sei o que alguns machinhos vão falar, mas tá tudo lá, quando ela chega pra comprar um estabelecimento, na caruda no meio do ninho da lenda por ideia dela mesma e... Badass.

    Cherokee Bill é outro exemplo, herdou a cara de deboche Lakeith Stanfield, e temos Cuffe que nasceu como Cathay, mas o que importa é quem ele realmente é,  foda foda foda, vamos para um minuto e pensar, mulheres hoje não são respeitadas, Homens Trans então (Brasil o País que mais mata trans no mundo te diz alguma coisa?), agora vamos imagina um Homem Trans vivendo naquela época onde estupro só era estupro quando a mulher era casada com outro cara, o mais legal apesar da piadoca do Jim, o filme não se dá nem ao trabalho de discutir o assunto com mais afinco porque não precisa, é suave, pontual e direto e eu adoro o Cuffe, principalmente na hora da ação, quero ver muito mais de Danielle Deadwyler.

    Tem muito mais para falar de cada personagem, mas o tempo é curto, então vamos falar sobre outras personalidades, as das cidades, é preciso ter muita inteligência, responsabilidade e sensibilidade para agregar personalidade a um lugar de uma forma tão direta e ao mesmo tempo sutil o bastante para passar despercebido, Redwood É uma cidade Negra, é colorida, tem preto, laranja, amarelo, chega a parecer uma bagunça, mas na verdade está falando conosco,mostrando que ali as pessoas são diferentes umas das outras bem como suas roupas de cores e tons diferentes, Redwood é viva.


    Por outro lado a Cidade Maysville É uma cidade Branca e vejam só ela é toda branca não tem traço nenhum de outras cores até a areia é branca, chega a doer os olhos, ali não existe personalidade nem aceitação, tudo é igual, as pessoas se vestem de cinza ou preto e é isso, tudo parece que ainda não foi pintado, um desenho não terminado no papel branco e obviamente as pessoas diferentes chamam mais atenção e por serem Negros claro que seria já atenção ruim (nunca torci tanto para um bando de branco molhar as calças hahahaha).


    Quer outra coisa para escolher entender ou não, a única coisa branca em Redwood É a Igreja, que é um prédio igualzinho aos prédios em Maysville exceto pelas linhas azuis. Seria essa uma referência  ao fato de que o Cristiano foi difundido pelo mundo pelo Homem Branco, mas ali estava pelo menos ganhando um traço de personalidade Negra? Que mistério senhor Jaymes.


    Vingança & Castigo é um filme irremediavelmente bem realizado, sensacional! Tem cavalos dançandinhos, no ritmo, tem Trudy e o Bass ou seja Regina King e Delroy Lindo quem leu os Papos "A Viagem da Garotas" e "Destacamento Bloods", sabe que não preciso falar mais nada e de novo só tem Mulher Braba, um dia eu sei que isso vai se tornar normal e vamos ver cada vez menos filmes onde a Mulher é tratada só como a Ashley(Resident Evil 4), um peso morto que chega a entrar na frente da bala e só é realmente útil quando você precisa passar em lugares apertados ou depois que você desbloqueia a armadura (droga acabei de descobrir que ela tem uma roupa usando top, não vou nem pesquisar mais porque devem sexualizar a nível Lola Bunny). Eu tô Apaixonado por esse Filme, pode vir a sequência amanhã que eu maratono.


    Não reclamem por um Negro pegar um estilo de filme geralmente branco e transformar nessa maravilha, vocês tem o costume de roubar tudo que é Negro e ainda falar que foram vocês que criaram, caso contrário só descriminam mesmo até seus filhos Brancos começarem a fazem, aí vira popular.

    Aqui foi só um Negro que pegou seu Western e esfregou a frase do agente J em Homens de Preto na cara de todos vocês:

    Sabe qual é a diferença entre o Western comigo e com vocês? Ele fica muito melhor comigo!!

    Obrigado. De nada.


Por: K. Kong





Se esse conteúdo foi útil para você, deixe seu comentário, participe, inscreva-se, dê um like e compartilhe em suas redes sociais.

Comentários

Compartilhe nossos artigos e matérias em suas redes sociais.

Postagens mais visitadas deste blog

Papo sobre cinema!

Fonte: Pinterest      E ai pessoal como vocês estão?      Eu sei que 2020 já acabou, mas como ele não foi feito só de coisa ruim resolvi conversar com vocês também sobre o Melhor filme de 2020      Eu quase quase quase vim falar sobre O Resgate ou O Poço, mas o filme do Ano vai além da ação lindamente coreografada ou da história interessante e repleta de simbologia e claro, só poderia ser um filme dirigido por um mestre que na real sim tão importante quanto Scorsese, Spielberg e esses outros monstros que são falados o tempo todo.      "Eu acho que, os Estados Unidos nos deve, nós construimos essa merda!" Pois é Norman dívida histórica é um ponto em tudo que o Brasil também nos deve, construímos e fizemos história aqui mas são os colonizadores que tem estátuas e imagina você que aqui homens e mulheres negros que estão nos livros de história são mostrados como brancos.      Sim, eu estou falando de um filme directed by Spike Lee, que fala sobre a guerra do Vietnã como você com

Novo programa estreia na Rádio Boa Música FM essa Quarta-Feira. 

Novo programa estreia na rádio boa música FM essa Quarta-Feira.   O programa semeando a palavra de Deus. Visa falar com toda a população do Capão redondo principalmente e adjacentes claro. Levando a palavra de Deus e alertando as pessoas da cumplicidade com ele e com nossos irmãos. Mediante a tantas dificuldades que estamos passando com a pandemia. Todo esse caos a falta de amor. Amor próprio e amor pelo próximo. Faz com que a nossa população cada vez mais seja refém do ódio, da doença, da dor, da hipocrisia, do preconceito e da materialização dos sentimentos secundários sentimento esses que acabam desunindo e em um  momento tão crítico que deveria nos unir, faz ao contrário. Através do programa Semeando a palavra de Deus, na rádio Boa Música FM, que será transmitido às 19:00, da 19 às 20:00 da quarta-feira Vamos falar com todos vocês irmãos e irmãs. Que podem nos apenas nos ouvir? Ou se quiserem nos assistir e fazer parte desse programa. Mandando mensagem através do nosso chat

Margareth Menezes homenageia Capinam

Margareth Menezes homenageia Capinam Cantora baiana participa de uma entrevista na Rádio Boa Música FM e solta a voz numa bela canção em homenagem ao eterno Capinam.             Numa recente visita à Rádio Boa Música FM, para uma entrevista, a cantora baiana Margareth Menezes fez uma homenagem ao poeta, músico brasileiro e imortal da Academia de Letras da Bahia - José Carlos Capinan. Com a música “Chão de Pedras”, lançada na Rádio Boa Música FM e que já é sucesso na programação da mesma, Margareth faz um dueto com Jair Luz. A produção ficou a cargo de Humberto Miranda, que também produz, artisticamente e musicalmente, a Casa de Show Carioca Club e o programa Rádio Boa Música FM. Além destes dois espaços, Humberto é diretor artístico do selo “Samba em Movimento” na gravadora Kuarup Produtora. Entusiasmada com a entrevista, Margareth Menezes disse que em breve retornará aos programas Rádio Boa Música FM, que por sinal é um dos programas que mais tocam as canções da cantora baia